Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2020
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Nem a bola parecia redonda e só árbitro salvou: As notas do Paços-FCPorto

Dragão somou segunda derrota em seis jornadas e saiu 'vergado' pelo Paços de Ferreira na Mata Real por um 3-2 que deve merecer autocrítica.

Nem a bola parecia redonda e só árbitro salvou: As notas do Paços-FCPorto

Seis jornadas jogadas, oito pontos perdidos, nove golos sofridos, 15 marcados, os rivais a fugir e falta de personalidade patente. Vários pontos para o líder Benfica, responsabilidade assumida pelo treinador, mas pouco tempo para trabalhar. Este é o exame ao FC Porto depois de uma derrota pela margem mínima mas com um resultado devastador. 

Mas vamos ao jogo. O FC Porto entrou na Mata Real com o pé esquerdo .Com muitas alterações, privados da sua figura maior, Pepe, o clube da Cidade Invicta andou aos papéis até ao golo de Dor Jan (11'). 

Depois disso, os azuis e brancos tentaram responder, mas acabariam por sofrer o segundo, anulado, e mal, por Nuno Almeida, e o terceiro (43'), a contar. O tropeção parecia evidente, mas faltava algum tempo e só o árbitro salvou um pesadelo no balneário.

É que Nuno Almeida decidiu, nos descontos (45+6'), uma grande penalidade que dava esperança, mas que, para sermos justos, não correspondia à verdade do lance e do jogo. 

No segundo tempo, Conceição mexeu e esperou por resposta, mas o golo chegaria na baliza de Marchesín. É que Bruno Costa, de grande penalidade, a penalizar uma mão infantil de Marega, marcou o 3-1 que parecia anunciar uma descida aos infernos. 

Otávio, na raiva, ao minuto 79. ainda reduziu, mas o apito final de Nuno Almeida chegaria no momento certo para evitar um resultado ainda pior. 

Com este resultado, os dragões, à sexta jornada, somam 10 pontos e podem ver os adversários diretos na luta pelo título fugirem e o Sporting de Braga passá-los na tabela classificativa. 

Figura do jogo: Eustáquio. Com 23 anos, o jogador pacense começa a assumir-se como figura da equipa. Lesto a pensar o jogo, com grande leitura do jogo, ontem, frente ao FC Porto, o campeão nacional em título, pegou na batuta do seu meio-campo e foi distribuindo jogo. Marcou um golo e causou uma grande penalidade que nunca devia ter sido assinalada. 

Surpresa: Bruno Costa. Esteve sempre em jogo, sempre a saber o que fazer e ainda teve a espinhosa missão de marcar à sua antiga equipa. Teve frieza e sentimento, marcou mas não quis festejar e até pediu desculpa. Se o coletivo prevaleceu neste jogo, pela concentração, entrega e sacrifício, Bruno Costa foi espelho disso mesmo durante todo o encontro.

Desilusão: Corona. Costuma ser a força basculante na ala direita, transportando, quando colocado na defesa, jogo para a frente e para trás. Ontem talvez estivesse mal 'guarnecido' para as suas investidas no ataque, mas sendo um dos principais esteios criativos da equipa, sai do jogo com nota negativa. O cansaço de sucessivos jogos pode explicar, em parte, o seu apagão.

Treinadores:

Pepa: Antes do jogo, elogiou o técnico adversário e recebeu os elogios de volta. Contudo, partiu para a partida desta sexta-feira com as ideias claras do que tinha de fazer e disposto a 'queimar cartuxos' para aproveitar a boleia de uma equipa portista que chegaria 'cansada'. A sua estratégia deu frutos do minuto 1 ao 90 e quase foi apagado o brilha da sua estratégia e dos seus pupilos por uma terrível arbitragem.

Sérgio Conceição: Foi forçado a mexer onde nenhum treinador gosta, na linha mais recuada, mas optou também por rodar alguns jogadores tentando surpreender. É caso para dizer que o feitiço se virou contra o feiticeiro, com a estratégia a sair furada. Assumiu as culpas no fim, tirando pressão do grupo, mas tem muito trabalho pela frente e pouco tempo para fazer mudanças. 

Árbitro: Nuno Almeida. Desastroso, adjectivo. 1. Que causa ruína, perda ou desgraça. 2. Funesto, desgraçado. 3. Péssimo. Consultando o dicionário, esta é a definição do adjetivo que escolhemos para o árbitro do encontro entre Paços de Ferreira e FC Porto. Teve uma primeira parte que, certamente, gostaria de poder apagar do seu currículo, mas a verdade é que também foi mal auxiliado pelo seu VAR, André Narciso. O resultado podia ter sido diferente e mais penalizador para a equipa de Pepa, mas a verdade é que tendo errado, Almeida 'salvou-se' pelo resultado justo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório