Meteorologia

  • 25 MAIO 2018
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Hologramas de três coreógrafos expostos a partir de sábado em Viana

A identidade física e artística e a linguagem coreográfica de Paulo Ribeiro, Rui Horta e Clara Andermatt podem ser vistas a partir de sábado, em Viana do Castelo, numa instalação holográfica criada pela Companhia Paulo Ribeiro.

Hologramas de três coreógrafos expostos a partir de sábado em Viana
Notícias ao Minuto

17:32 - 23/04/18 por Lusa

Cultura Box 2.0

Dentro de três caixas estarão hologramas dos três coreógrafos portugueses, com um tamanho aproximado da palma de uma mão.

O projeto, que se intitula 'Box 2.0' e conta com a coprodução do Teatro Municipal Sá de Miranda, de Viana do Castelo, estreia-se no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Dança.

Em 2013, António Cabrita e São Castro - atuais diretores artísticos da Companhia Paulo Ribeiro - criaram o projeto 'Box', que teve como intenção "levar o corpo dançante para um local fora do contexto comum de apresentação de um espetáculo ou performance", quebrando as barreiras do espaço e do tempo.

Depois de convidados para assumirem a direção artística da companhia residente em Viseu, António Cabrita e São Castro decidiram lançar o convite a coreógrafos da geração de Paulo Ribeiro para a 'Box 2.0'.

"É um projeto altamente inovador, que trabalha toda esta ideia da memória da dança nacional. São solos com 20/30 minutos, que vão estar em holograma, em 'loop', em caixas expostas durante um mês, em Viana do Castelo", contou António Cabrita à agência Lusa.

Segundo o coreógrafo, a ideia foi "transportar a dança para um lugar que não é tão efémero, embora a dança seja efémera", criando uma ilusão holográfica tridimensional.

"A nossa primeira questão, logo em 2013, foi: como é que nós retiramos o corpo do lugar do palco e o transportamos para um sítio onde pode estar mais presente", contou.

A instalação holográfica pretende debruçar-se sobre a pluralidade de linguagens e identidades coreográficas de diferentes coreógrafos e bailarinos, perpetuando-as através de um holograma.

António Cabrita avançou que a ideia é alargar o projeto "a vários coreógrafos portugueses e até internacionais".

Com trabalho do cenógrafo Fernando Ribeiro, 'Box 2.0' nasceu em Viseu, tem estreia marcada para Viana do Castelo mas, posteriormente, irá circular nacional e internacionalmente, em datas a anunciar.

A estreia contará com a presença dos coreógrafos convidados e será seguida da apresentação da peça 'Um Solo para a sociedade', de António Cabrita e São Castro, numa noite que pretendem que seja "de cruzamentos de identidades, dimensão e perceção do corpo".

Criada em 1995, a Companhia Paulo Ribeiro é uma companhia portuguesa de dança contemporânea, com um repertório próprio de peças criadas e dirigidas por Paulo Ribeiro (fundador e um dos coreógrafos que esteve na origem do movimento artístico intitulado Nova Dança Portuguesa) e por outros criadores convidados.

A Companhia Paulo Ribeiro é estrutura residente no Teatro Viriato, de Viseu, desde 1998.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.