Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2018
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 18º

Edição

DRCAlen quer prevenir destruição de sítios arqueológicos

A Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlen) anunciou hoje que está a desenvolver ações de prevenção e de sensibilização para combater a destruição de património arqueológico provocado por plantações extensivas em diversos campos agrícolas daquela região.

DRCAlen quer prevenir destruição de sítios arqueológicos
Notícias ao Minuto

20:00 - 11/01/18 por Lusa

Cultura Alentejo

Em comunicado, a DRCAlen recorda que têm vindo a ocorrer no Alentejo, com particular incidência no distrito de Beja, casos de "destruições" de património arqueológico ocasionadas por plantações extensivas de espécies de crescimento rápido, como o olival e o amendoal.

De acordo com a DRCAlen, estas "afetações ou destruições" de sítios arqueológicos têm ocorrido em várias explorações agrícolas nos concelhos de Beja, Alvito, Ferreira do Alentejo, Vidigueira e Arronches (distrito de Portalegre), entre outros.

"A DRCAlen tem vindo a realizar diligências, na medida das suas possibilidades técnicas e das competências que lhe estão atribuídas, no sentido de prevenir ocorrências desta natureza, nomeadamente através de ações de sensibilização junto da GNR, mas também através da criação de mecanismos mais expeditos de comunicação, acordados com o Ministério Público da Comarca de Beja", lê-se no documento.

Na mesma nota, a DRCAlen sublinha que "importa ter presentes os elevados custos financeiros das operações preventivas e de salvaguarda" dos sítios arqueológicos realizadas no âmbito do projeto do Regolfo do Alqueva e da rede primária de rega suportados pelo erário público, que se impõe que sejam "salvaguardados".

Com vista a prevenir novas destruições do património arqueológico nacional, a DRCAlen explica que estão a ser "desenvolvidos esforços" com o Ministério da Agricultura, no sentido de "identificar e estabelecer mecanismos de cooperação" entre serviços.

Através destes mecanismos de cooperação, estas duas entidades públicas esperam que seja possível a "troca de informação", visando assegurar um "maior controlo prévio de ações lesivas" para o património arqueológico, e possibilitar a intervenção, "em tempo útil", por parte das entidades competentes.

"Realizar-se-ão, em breve, também em colaboração com a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo e com os municípios envolvidos, algumas ações, junto dos agricultores, destinadas à sensibilização para a temática da proteção do património arqueológico, em especial no Baixo Alentejo, em áreas onde se prevê uma maior expansão da agricultura intensiva", lê-se ainda no comunicado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório