Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Teatro Carlos Alberto com peças de Strindberg e Dea Loher

O Teatro Carlos Alberto (TeCA), no Porto, recebe, de quinta-feira a 29 outubro, o ciclo "Retrato de Família", que integra as estreias de "O Pelicano", de August Strindberg, e "Tatuagem", de Dea Loher, ambas encenadas por Manuel Tur.

Teatro Carlos Alberto com peças de Strindberg e Dea Loher
Notícias ao Minuto

21:10 - 11/10/17 por Lusa

Cultura Porto

Em comunicado hoje divulgado, a organização explica que o projeto inclui duas peças familiares "que distam cem anos entre si": "O Pelicano", do dramaturgo sueco, que se estreia a 12 de outubro, e "Tatuagem", da dramaturga alemã, com estreia marcada para dia 25 do mesmo mês.

Sob o mote do "reduto familiar", o ciclo, dirigido pelo encenador Manuel Tur, "permite articular obras de épocas e correntes distintas" num mesmo cenário, uma casa que acolhe duas famílias.

"A apresentação sequencial destes dois textos no mesmo cenário permite experimentar registos interpretativos e modalidades de representação a que as obras, nas suas irrecusáveis diferenças de estrutura, linguagem e sensibilidade, se abrem e favorecem", pode ler-se no mesmo documento.

"O Pelicano" (1907), a "peça maldita" de Strindberg, "parte do mito de que aquele animal, sem outro recurso disponível, está disposto a alimentar as crias com o seu próprio sangue".

A obra, que começa após a morte do patriarca, retrata uma família disfuncional "cuja mãe é amante do genro e suficientemente egoísta para ignorar os problemas do filho com o álcool e o facto de a filha estar entregue ao desgosto amoroso, por sua culpa". A peça fica em cena no TeCA a partir de quinta-feira, até dia 21 de outubro.

Já "Tatuagem" (1992) -- em cena no TeCA de 25 a 29 de outubro -- versa sobre a história de um incesto, em que um pai abusa regularmente da filha mais velha, enquanto a mãe pretende não se aperceber de nada.

Na peça de Dea Loher, dramaturga alemã multipremiada, nascida na década de 1960, a filha consegue por fim romper com a família, mas acaba por se tornar numa jovem mulher que se humilha perante o marido, tendendo para a violência quando entram em confronto, sendo sempre uma vítima no enredo.

As duas estreias, para maiores de 16 anos, são compostas por elencos diferentes, mantendo-se apenas Ângela Marques em ambos os elencos. A montagem das duas obras resulta de uma coprodução do Teatro Nacional São João e da companhia A Turma.

Em 2018, "Retrato de Família" terá um segundo andamento, que contará com dois outros espetáculos: "A Festa", adaptação teatral, do dramaturgo David Eldridge, de um filme de Thomas Vintenberg, e "Stabat Mater", revisitação da mitologia cristã da "Mater dolorosa", pelo dramaturgo italiano Antonio Tarantino, que esteve em Portugal em 2006, para a apresentação da obra, quando da estreia da encenação dos Artistas Unidos, protagonizada por Maria João Luís.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório