Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2017
Tempo
MIN 9º MÁX 9º

Edição

Paul Auster rejeita a arte baseada em Donald Trump

O escritor Paul Auster afirmou, em Cascais, que o mundo "entrou numa nova era" com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas que "ainda não é possível fazer arte" baseada no governo que este constituiu.

Paul Auster rejeita a arte baseada em Donald Trump
Notícias ao Minuto

13:39 - 12/09/17 por Lusa

Cultura Literatura

Num encontro com jornalistas, na segunda-feira, no âmbito do Festival Internacional de Cultura com o propósito de debater os temas suscitados pela sua nova obra, '4 3 2 1', Auster debruçou-se sobre o panorama político do seu país de origem, voltando a tecer críticas a Trump, uma figura que classifica como um indivíduo "furioso, irracional, instável e narcisista: um perigo que se alimenta da atenção" que o mundo lhe dá.

O autor afirmou que Trump "está apenas no início", o que impede reflexões artísticas exatas. Na ótica do escritor, primeiro cabe "aos jornalistas apurarem a verdade de tudo o que se passa agora", partindo do princípio que o "bom jornalismo" é o "trabalho mais importante para o bem-estar do mundo".

Auster adianta que a mesma profissão está "sob ataque", colocando em risco "a fé das pessoas na verdade", numa fase em que nunca os jornalistas foram tão necessários, numa discussão dentro do contexto da narrativa quadripartida do romance mais recente, em que uma das quatro versões do protagonista, Archie Ferguson, toma a decisão de enveredar pelo universo jornalístico.

O escritor, vencedor de múltiplos prémios literários, receia que Trump continue "a persuadir as pessoas de que as mentiras [que conta sejam] verdade", já que o 45.º chefe de Estado norte-americano utiliza "as mesmas táticas que os Nazis nos anos 1930 e 1940", tornando-se "uma pessoa perigosa para governar o país mais poderoso do mundo".

Apesar de todos os tumultos sociais que acontecem, diariamente, Auster insiste que a inspiração para as narrativas de ficção não parte do mundo exterior, mas antes "do inconsciente", que depois se mistura com os fatores sociais "de um país construído por imigrantes", no qual Nova Iorque funciona como um antídoto contra a crescente divisão visível nos Estados Unidos.

"Nova Iorque é encarada como a cidade representante do ideal norte-americano [sendo que] 40% dos seus habitantes nasceram noutros países [mas], às vezes, acho que a cidade devia abandonar os Estados Unidos e transformar-se num estado separado, porque o resto do país não percebe [o que o local simboliza]", disse.

Questionado mais diretamente quanto às falhas do partido Democrata, de acordo com Auster "tudo se alinhou perfeitamente" a favor do magnata, reduzindo as hipóteses de Hillary Clinton, que perdeu votos devido "a um país misógino".

O romancista "queria que Hillary percorresse o país da mesma forma que Martin Luther King [aquando do Movimento dos Direitos Cívicos]", contrastando com o método de Trump, ao escolher "incitar o pior da natureza humana", com "30 a 35% do país a adorar aquilo que ele faz". Estas são as razões que levam Paul Auster a concluir que "uma grande percentagem do eleitorado americano jamais votaria" em Hillary Clinton.

Portugal é o sétimo país europeu por que passa, no espaço de um mês, para promover "4 3 2 1", algo que levou o autor a verificar que as mudanças e a "nova era" de que fala se tratam de "um fenómeno global" que coloca a Europa e os Estados Unidos em posições similares, seja devido aos resultados do Brexit [referendo que determinou a saída do Reino Unido da União Europeia], ou devido à vitória de Donald Trump.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório