Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Escritores são "cereja no topo do bolo" da promoção da leitura em escolas

A presença de escritores nas escolas é "a cereja no topo do bolo" da promoção da leitura, mas é preciso uma estratégia, afirmou hoje Lúcia Barros, da Rede de Bibliotecas Escolares, no Encontro de Literatura Infanto-Juvenil da Lusofonia, no Estoril.

Escritores são "cereja no topo do bolo" da promoção da leitura em escolas
Notícias ao Minuto

22:17 - 25/02/16 por Lusa

Cultura Lúcia Barros

Os debates deste encontro, promovido pela Fundação O Século, iniciaram-se hoje, com uma mesa sobre o papel das bibliotecas escolares e dos escritores na promoção do livro e da leitura junto dos estudantes, com a participação dos escritores António Mota, Clóvis Levi e da professora bibliotecária Lúcia Barros.

O objetivo é "levar a literatura para a sala de aula", o que implica planeamento e o envolvimento de vários parceiros na promoção da leitura literária, afirmou Lúcia Barros.

Nesta equação entram professores, famílias e escritores, que dedicam parte do tempo a visitas, encontros e sessões de leitura com estudantes.

No debate de hoje, Clóvis Levi, escritor e professor brasileiro, afirmou que, por vezes, os escritores são "pessoas perigosas" no contacto com os alunos: "Propomos coisas que levam o estudante a pensar, a duvidar, a contestar. A leitura faz o menino mais esperto, não necessariamente mais culto, e fortalece o poder de fantasiar".

Já António Mota, com a experiência de 36 anos de visitas regulares a escolas, alertou que um autor "tem dois minutos para conquistar uma plateia", dando a entender que o contacto é quase sempre recompensador, mesmo que haja cansaço na exposição pública.

À agência Lusa, Lúcia Barros afirmou que a Rede de Bibliotecas Escolares - que está a celebrar 20 anos - tem uma boa implantação e "têm sido feitos muito progressos", mas "ainda há falta de sensibilidade geral dos professores para a leitura literária".

De acordo com dados de 2015, disponibilizados na página oficial na Internet, a Rede de Bibliotecas Escolares conta com mais de 2.400 bibliotecas em escolas do ensino básico, secundário e profissional, abrangendo mais de 900.000 alunos.

Em termos geográficos, Lisboa, Porto e Setúbal são os distritos que registam um maior número de bibliotecas implantadas em escolas. Bragança, Guarda, Portalegre e Vila Real são os distritos do continente com a menor presença de bibliotecas em ambiente escolar.

"Não basta às escolas terem a biblioteca, é preciso dinamizá-la", disse aquela professora bibliotecária.

O Encontro de Literatura Infanto-Juvenil da Lusofonia começou na segunda-feira, com a ida de escritores a escolas da região de Lisboa, prosseguindo hoje e sexta-feira com debates.

Entre os convidados estão Marina Colasanti (Brasil), Olinda Beja (São Tomé e Príncipe), Maria Celestina Fernandes (Angola) e autores portugueses como Margarida Fonseca Santos, Luísa Ducla Soares, José António Gomes, António Mota, Mário de Carvalho, Afonso Cruz, André da Loba e Rachel Caiano.

A circulação do livro no espaço lusófono, a relação entre imagem e texto, aprender o gosto pela leitura e o trabalho das bibliotecas escolares estarão em discussão naquele encontro.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório