Meteorologia

  • 23 OUTUBRO 2021
Tempo
20º
MIN 13º MÁX 25º

Edição

Ministro da Cultura do Brasil defende Acordo Ortográfico com maior harmonização

O Ministro da Cultura do Brasil, João Luiz Ferreira, admitiu hoje ter havido um excesso de normatização do Acordo Ortográfico (AO) em detrimento da harmonização das diferenças entre os vários países de língua portuguesa.

Ministro da Cultura do Brasil defende Acordo Ortográfico com maior harmonização
Notícias ao Minuto

19:32 - 07/07/15 por Lusa

Cultura Língua

"Acho que talvez tenhamos errado no acordo [ortográfico ] porque pensámos mais na normalização como epicentro desse processo de normatização e de fortalecimento da língua e talvez tenha havido um pouco de descuido em relação à construção desse ambiente de cooperação na área da criação", afirmou o ministro durante a apresentação do Fólio -- Festival Internacional de Literatura.

À margem do encontro, João Luiz Ferreira reconheceu à Lusa que o AO "podia ter sido feito com mais harmonização" das diferenças entre os vários países que subscreveram o documento, dado a língua portuguesa ocupar "um espaço geográfico muito grande", sendo falada "por milhões de pessoas" e desenvolvendo-se "em contextos culturais distintos".

O acordo, "procura resolver um problema real" e criar "uma base ortográfica comum", já que "se permitirmos um desenvolvimento ortográfico diversificado não vamos ficar com uma única língua".

Porém, defende, "para se chegar à regulação de uma língua tão complexa, tão diversa, que vive em contextos culturais tão distintos como a língua portuguesa é preciso começar pelos que se expressam na língua, pelos criadores" e não pelos "normalizadores".

Em Africa, "em cada um dos países a língua portuguesa convive e interage com 50 ou 60 outras línguas num processo diário de recriação da própria língua", lembra, aludindo ainda ao exemplo do Brasil, cujo processo de colonização foi feito "em convivência com línguas africanas, línguas indígenas e construindo um universo muito próprio".

Daí que o AO "precise de compreender que essa base técnica comum tem que se desenvolver dentro dessa complexidade", defendeu o governante reconhecendo que o acordo reconhece "podia ter sido feito com mais harmonização dessas diferenças".

Ainda assim Juca Ferreira estima que até ao final do próximo ano, com o Brasil na liderança da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), o AO possa estar implementado em todos os países e que o mesmo possa ser revisto "substituindo algum aspeto que tenha sido detetado e que foi utilizado de alguma forma inadequada".

A ideia é "revisitar esse acordo permanentemente" para permitir que "a língua e ortografia possam ir evoluindo adequadamente", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório