Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 25º

Festival Artes à Vila cancelado na Batalha por corte de financiamento

 A organização do Artes à Vila anunciou hoje o cancelamento da sétima edição do festival que se realizava na Batalha desde 2018, devido "à redução significativa e abrupta do financiamento por parte da autarquia".

Festival Artes à Vila cancelado na Batalha por corte de financiamento
Notícias ao Minuto

18:34 - 19/06/24 por Lusa

Cultura Batalha

Redimensionado este ano para um dia em vez dos habituais três na sequência do corte do apoio da Santa Casa da Misericórdia, o festival estava agendado para sábado. O programa incluía concertos de Aldina Duarte, projeto Raia, Jordão e Eduardo Jordão com Luanda Cozetti nas Capelas Imperfeitas do Mosteiro da Batalha e sessão de poesia e música com José Anjos no Museu da Comunidade Concelhia.

Contudo, "a redução significativa e abrupta do financiamento da parte da autarquia" e "declarações da vereadora da Cultura a um jornal regional, em que criticou a qualidade do festival e os artistas programados", levaram a organização a decidir pelo cancelamento, explicou à agência Lusa o fundador do Artes à Vila, Eduardo Jordão.

"Havendo uma decisão destas por unanimidade [do município], teríamos de fazer uma pausa e uma reflexão profunda sobre o trabalho de mediação cultural que estávamos a fazer na vila da Batalha, se faz sentido dar continuidade ou não", acrescentou o responsável pela programação.

Segundo Eduardo Jordão, nas seis edições que o Artes à Vila desenvolveu em espaços do Mosteiro da Batalha e na envolvente do monumento, registaram-se "resultados inéditos, de alta qualidade e com números muito interessantes para um festival cultural em Portugal". 

"Foram seis anos de muita criatividade para ultrapassar as dificuldades, não só autárquicas, financeiras, logísticas e depois, mais tarde, o covid", disse, num balanço sobre o percurso do festival.

O organizador sente que ficam "memórias gratificantes dos sucessos que conseguimos trazer à Batalha", mas admite estar "muito triste" pelas "consequências para a vila" e "para os turistas".

"A partir do momento em que há uma interrupção por via da vontade política, naturalmente, torna-se quase que inviável ou muito difícil tentar manter um festival, sabendo que há um corte bastante significativo", acrescentou.

Um regresso do Artes à Vila no futuro é uma possibilidade que "tem que vir do lado da autarquia". 

"Depois desta situação de quase 'vergonha' por estarmos a cancelar com patrocinadores, com artistas" devido a "um cancelamento abrupto e despropositado" do apoio autárquico, será necessário a Câmara da Batalha "apresentar um orçamento que seja sério e credível para podermos voltar a sentar e conversar".

Leia Também: Semana internacional do Piano de Óbidos arranca na sexta-feira

Recomendados para si

;
Campo obrigatório