Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Prémios Europa Nostra distinguem 26 projetos no Património Cultural

Os Prémios Europa Nostra, na área do Património Cultural, distinguiram este ano 26 projetos em cinco categorias, de 18 países, entre eles, uma investigação domínio da Inteligência Artificial, para melhorar o acesso ao património jornalístico europeu, foi hoje divulgado.

Prémios Europa Nostra distinguem 26 projetos no Património Cultural
Notícias ao Minuto

14:04 - 30/05/24 por Lusa

Cultura Prémios Europa Nostra

"Os vencedores deste ano exemplificam o dinamismo, a diversidade e a inovação demonstrados em toda a Europa nos esforços para salvaguardar e promover o nosso património", afirma a organização em comunicado divulgado pelo Centro Nacional de Cultura, representante português no organismo Europa Nostra.

A cerimónia de entrega dos prémios, e onde serão anunciados os vencedores do Grande Prémio e do Prémio "Escolha do Público", realiza-se no dia 07 de outubro, no Ateneu Romeno, em Bucareste, durante a Cimeira Europeia do Património Cultural, que terá lugar de 06 a 08 de outubro na capital romena.

O Prémio "Escolha do Público" resulta de uma votação "online" - www.europanostra.org - a decorrer até 22 de setembro.

Os Prémios Europa Nostra foram criados pela Comissão Europeia em 2002 e têm sido geridos pela organização Europa Nostra, atualmente presidida pela cantora lírica italiana Cecilia Bartoli.

Na categoria "Pesquisa" foi premiado o projeto de investigação "NewsEye: Um Investigador Digital para Jornais Históricos" que "melhora o acesso à imprensa europeia antiga (1850 a 1950), utilizando 15 milhões de páginas digitalizadas pelas bibliotecas nacionais da Áustria, Finlândia e França, desenvolveu ferramentas automáticas de reconhecimento de carateres, análise da estrutura dos jornais e processamento de conteúdos multilingues, com base na inteligência artificial". Este projeto junta estes três países e ainda a Alemanha.

Na categoria "Conservação e adaptação a novos usos", foram distinguidos seis projetos, dois deles romenos, o restauro da Igreja Saxónica em Alma Vii, considerada "um marco cultural que simboliza séculos de história e artesanato na aldeia de Alma Vii, na Transilvânia", e o de outra igreja, a de São Miguel, em Cluj-Napoca, "uma joia da arquitetura gótica europeia".

Nesta mesma categoria foram também distinguidos os Poços de Neve, na Serra Espuña, em Espanha, datados do século XVI, que "serviam como fábricas de gelo, armazenando a neve do inverno para a produção de gelo no verão".

Também o edifício Royale Belge, em Bruxelas, um edifício modernista, concluído em 1970 como sede da companhia de seguros Royale Belge, e que "integra atualmente uma mistura de utilizações, incluindo instalações para conferências, escritórios, espaços de 'co-working', um 'health club' e um hotel".

Outro projeto premiado é alemão, a Casa Schulenburg, em Gera, construída em 1914 por Henry van de Velde. "O seu projeto de restauro é um exemplo brilhante de conservação da arquitetura do século XX", refere a organização.

Também premiado o projeto de renovação da mina histórica de Ignacy, em Rybnik, uma mina de carvão, que é "uma das mais antigas da Polónia", fundada em 1792. O complexo mineiro foi adaptado a novas funções como centro cultural e recreativo e é um "exemplo inspirador para outras minas de carvão na Europa que estão a ser encerradas".

Na categoria "Educação, formação e competências" foram galardoados cinco projetos entre eles o Centro Cultural Teryan, em Erevan, que desde 2002, "tem-se empenhado no estudo e na preservação da cultura arménia e de Artsakh".

Também premiado, o coletivo grego Boulouki, pelo seu "Workshop" Itinerante sobre construção tradicional. Boulouki é um coletivo de arquitetos, engenheiros e profissionais do património dedicados à revitalização do artesanato tradicional para as necessidades da construção contemporânea. "A sua abordagem é itinerante, viajando por toda a Grécia, para realizar 'workshops' de formação que se inspiram e respondem às características de cada local".

O Esquema de edifícios agrícolas tradicionais, da República da Irlanda, foi outro premiado, "o principal objetivo deste regime nacional é ajudar os agricultores a reconhecer o valor cultural dos edifícios agrícolas tradicionais". Os participantes são apoiados na aquisição de competências que lhes permitam realizar reparações para devolver os edifícios ao uso funcional da quinta. Mais de 1.000 edifícios foram reparados desde a criação do esquema em 2008.

Premiado também o Modelo de Revitalização da Associação de Artesãos Serfenta Crafts, em Cieszyn, na Polónia, que foi criado ao longo de 15 anos, tendo como atividade principal a arte da cestaria.

A Escola de Carpintaria Branca, em Narros del Castillo, em Espanha, foi tamb+em distinguida, este "é o único centro de formação no mundo dedicado exclusivamente ao ensino da carpintaria branca", tendo sido fundado em 2014.

A carpintaria branca é uma técnica que, desde o século XIII até ao século XVIII, que permitiu a construção das asnas de telhado e dos tetos em caixotões de madeira que estão presentes em milhares de edifícios espanhóis.

Na categoria "Envolvimento e sensibilização dos cidadãos" foram distinguidos sete projetos. O "Quilómetro Quadrado", em Gante, na Bélgica, que premeia o trabalho de uma "historiadora residente" que nos últimos cinco anos, tem percorrido as mais diversas zonas da cidade. "Por 'quilómetro quadrado', convidou os habitantes locais a revelar 'histórias escondidas'", culminando numa exposição no Museu da Cidade e em guias do património, onde a narração é moldada pelos habitantes locais.

Outro premiado foi da Croácia, "O Silêncio que Derrubou o Monumento", em Kamenska, onde o monumento anti-fascista, "Monumento à Vitória do Povo da Eslavónia", criado pelo artista Vojin Bakic, entre 1958 e 1968, foi destruído em 1992, durante as guerras da década de 1990 na ex-Jugoslávia. "Este projeto ressuscitou o monumento através da tecnologia de Realidade Aumentada, uma abordagem pioneira no domínio da conservação do património".

Distinguida também a preservação dos Salões Comunitários para Atividades da Sociedade Civil Local, na Finlândia que "é um modelo em que os subsídios estatais para reparações e renovações sustentáveis de pavilhões comunitários são atribuídos a associações locais através de uma organização não-governamental.

A Associação dos Castelos Fortificados da Alsácia foi igualmente premiada. Na região francesa da Alsácia há mais de uma centena de ruínas de castelos na vertente alsaciana da cadeia montanhosa de Vosgos. "O objetivo da associação, criada em 2013, é sublinhar a importância deste património notável através de uma série de iniciativas diferentes, como o Percurso dos Castelos Fortificados da Alsácia".

A reabilitação da Torre Tsiskarauli pelos cidadãos, em Akhieli, na Geórgia, também foi distinguida. Ao longo de três anos, 46 cidadãos georgianos e internacionais trabalharam com peritos técnicos e artesãos tradicionais para restaurar a Torre.

Também premiado foi o Festival Internacional de Teatro Clássico para Jovens, em Siracusa, na Itália. Desde 1991, mais de 50.000 jovens estudantes de todo o mundo reuniram-se no Teatro Grego de Akrai para reinterpretar textos clássicos gregos e romanos, refere a organização, destacando que "este festival anual celebra a rica herança clássica da Europa".

Outro premiado foi a Fundação para a Conservação do Património Histórico de Ockenburgh, dos Países Baixos. Esta fundação representa mais de 150 voluntários locais que durante dez anos trabalharam para renovar a propriedade de Ockenburgh, em Haia, fundada em 1654.

Outra categoria, que surge pela primeira vez no elenco de galardões, é "Campeões do Património". Nesta categoria foi premiada a Sociedade dos Amigos das Antiguidades de Dubrovnik, na Croácia, uma associação da sociedade civil fundada em 1952, que "tem financiado e concluído projetos de investigação e conservação dos monumentos de Dubrovnik, incluindo as muralhas da cidade".

"A Sociedade esteve intimamente envolvida na inclusão da Cidade Velha de Dubrovnik na Lista do Património Mundial da UNESCO em 1979".

Outra distinção foi para a norueguesa Else "Sprossa" Rønnevig, da cidade de Lillesand. "Ao longo de cinco décadas, Else 'Sprossa' Rønnevig liderou o salvamento de janelas antigas, impediu a substituição de janelas históricas valiosas e estabeleceu regulamentos mais claros para a sua proteção, transformando a abordagem da Noruega à preservação cultural".

Premiado também o arqueólogo polaco Piotr Gerber, que "dedicou a sua vida à proteção do património pós-industrial. Tanto na Polónia como no estrangeiro, e tem desempenhado um papel influente na sensibilização e compreensão do público para a importância do desenvolvimento técnico e tecnológico.

O Reino Unido não é signatário do programa Europa Criativa da União Europeia, mas "quatro dos vencedores deste ano" são britânicos. O Reino Unido é "o país com o maior número de prémios" este ano. Estes vencedores receberão os Prémios Europa Nostra e, são, as Tapeçarias Gideon, em Hardwick Hall, na categoria "Conservação e adaptação a novos usos", estas tapeçarias "são um documento único da produção de tapeçaria flamenga e do gosto inglês no século XVI, e o maior conjunto de tapeçarias que ainda existe na Grã-Bretanha".

Outro projeto britânico distinguido, na categoria "Conservação e adaptação a novos usos", o edifício Shrewsbury Flaxmill Maltings, em Shrewsbury, construído em 1797 e "referido como o 'avô dos arranha-céus'". Foi o primeiro edifício do mundo com estrutura de ferro. "O edifício icónico foi trazido de volta à vida como um espaço de trabalho adaptável, um destino de lazer e um centro de empresas sociais".

Também nesta categoria foi premiado o Westminster Hall, em Londres, classificado como "Grau I" dentro de um Património Mundial, este "é um dos maiores salões medievais da Europa". Este projeto que durou 10 anos, "conservou o telhado e a alvenaria medievais, melhorou o Hall como local de eventos futuros e criou uma entrada principal para os visitantes do Palácio de Westminster".

Na categoria "Campeões do Património", foi distinguido o historiador de arquitetura britânico Marcus Binney, de 79 anos, que "há mais de 50 anos tem sido uma força orientadora na sensibilização do público para o património cultural da Europa".

A organização realça "a sua influência de grande alcance e a sua liderança inspiradora que revolucionaram a proteção e a conservação do património no Reino Unido e noutros países da Europa e não só".

Para a organização, "este facto reflete a extraordinária e vasta gama de excelência no domínio do património no Reino Unido, bem como o compromisso da Europa Nostra de reconhecer a excelência em todos os países do Conselho da Europa".

Os vencedores foram selecionados pelo júri dos prémios, composto por 12 peritos em património de toda a Europa, após a avaliação das candidaturas pelos Comités de Seleção.

Foram apresentadas 206 candidaturas, "tanto por organizações como por pessoas a título individual", de 38 países europeus.

Leia Também: Ministra da Cultura vai explicar "precipitadas exonerações" em comissão

Recomendados para si

;
Campo obrigatório