Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Em'Furiosa: Uma Saga Mad Max' o futuro regressa à Idade das Trevas

O filme 'Furiosa: Uma Saga Mad Max', que estreia hoje nos cinemas portugueses, é o retrato pós-apocalíptico de um futuro em que a humanidade regressa à Idade das Trevas, disse o realizador George Miller. 

Em'Furiosa: Uma Saga Mad Max' o futuro regressa à Idade das Trevas
Notícias ao Minuto

06:47 - 23/05/24 por Lusa

Cultura Cinema

"Apesar de isto se situar num futuro pós-apocalíptico, o comportamento regressa à Idade das Trevas ou tempos medievais, ainda com tecnologia do século XX", afirmou o cineasta, numa conferência de lançamento do filme em que a Lusa participou.

"Não há carros elétricos, não se pode usar telemóvel nem cartão de crédito, não há refrigeração nem rede elétrica ou instituições", descreveu. Tudo isso leva os personagens a um comportamento básico, sendo a história uma alegoria que Miller considerou espelhar partes do mundo moderno. 

"Vemos muitos destes comportamentos no mundo, a forma como as pessoas lidam umas com as outras, está nas notícias", continuou. 

Situada 45 anos após o colapso da humanidade, com uma catástrofe climática que tornou o mundo árido, a história serve como prequela de 'Mad Max: Estrada da Fúria', protagonizada por Charlize Theron e Tom Hardy em 2015 e que venceu seis Óscares. 

O novo filme da Warner Bros. traz fogo, brutalidade e vingança e é um dos mais aguardados do ano, com esperanças de que ajude a dar a volta à situação de quebra generalizada nas receitas de bilheteira. 

Furiosa é agora encarnada por Anya Taylor-Joy, com Chris Hemsworth a dar corpo a Dementus. As escolhas, disse George Miller, foram uma aposta arriscada que acabou por resultar, já que a atriz foi escolhida antes dos papéis que lhe deram o estrelato -- 'O Gambito da Rainha' e 'A Noite Passada em Soho'. 

"Havia algo muito convincente nela", referiu Miller, frisando como o papel de Furiosa é difícil. "Podemos argumentar que os Mad Max são filmes de faroeste sobre rodas, e em muitos personagens clássicos o protagonista é lacónico", indicou.

"Max quase não diz nada, Furiosa em Estrada da Fúria não diz quase nada. E nesta história, nem pode fazê-lo", acrescentou.

Isso significa que o desempenho de Anya Taylor-Joy não pode fundamentar-se no diálogo, mas nas expressões faciais e na fisicalidade do papel. "Além disso, nesta terra árida, as palavras não significam muito. Interage-se pela ação, é um mundo in extremis", descreveu Miller. 

O papel de Chris Hemsworth é, de certa forma, oposto e o realizador contou como o ator acabou por dar um Dementus diferente do que tinha sido conceptualizado. 

"Vi que o Chris é uma pessoa multidimensional, tanto como ser humano como na abordagem à representação", disse o cineasta. Miller contou como a experiência pessoal de Hemsworth, cujos pais eram assistentes sociais que fizeram trabalho pioneiro com crianças vítimas de abusos, influenciou a sua interpretação. "Ele viu o trabalho que os pais fizeram e tem muita sabedoria sobre isso para alguém que é relativamente jovem. Isso refletiu-se no seu trabalho", explicou.

Com críticas iniciais positivas que destacam a espetacularidade, 'Furiosa' permitiu ao cineasta australiano usar ferramentas que não estavam disponíveis quando realizou os outros filmes Mad Max.

Mas Miller salientou que é sempre a história e não a tecnologia que comanda o filme -- onde ninguém desafia as leis da física. "Não há humanos nem carros a voar. Tudo é real", sublinhou.

Aquilo que o continua a atrair no cinema -- sendo que George Miller se formou primeiro em medicina -- é contar histórias em que as pessoas lidam com mundos extremos e onde há conflitos. 

"O que acontece quando há conflitos nas histórias é que revelam a essência dos personagens e do mundo. É por isso que contar histórias continua a entusiasmar-me", disse. 

'Furiosa: Uma Saga Mad Max' tem argumento de George Miller e Nico Lathouris. O elenco conta ainda com Tom Burke, Lachy Hulme, John Howard e Jacob Tomuri. 

Este é o quinto filme Mad Max, cuja saga começou em 1979. Todos foram escritos e realizados por George Miller. 

Leia Também: Sétima edição do projeto social 'Uma Imagem Solidária' realiza-se hoje

Recomendados para si

;
Campo obrigatório