Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 20º

Mário Cruz fotografa crise da habitação para "exigir" que se cumpra Abril

Mário Cruz fotografou edifícios devolutos que "há demasiado tempo" servem de abrigo a pessoas em Lisboa e vai expor o resultado para, nos 50 anos da revolução que derrubou a ditadura, "exigir" que se cumpra Abril.

Mário Cruz fotografa crise da habitação para "exigir" que se cumpra Abril
Notícias ao Minuto

06:19 - 20/04/24 por Lusa

Cultura Habitação

"Roof" é o nome do novo projeto (exposição e livro) do fotojornalista Mário Cruz, que teve como mote o direito a uma habitação digna, inscrito na Constituição.

Nos últimos dez anos, Mário fotografou com regularidade prédios, fábricas, escolas que têm em comum o facto de estarem devolutos.

O fotógrafo, distinguido com dois World Press Foto, quis revelar "o lado escondido da crise de habitação" e exigir a resolução do problema.

"Se a Constituição garante habitação digna para todos, se calhar é tempo de cumprir. E o 25 de Abril deveria obrigar a esse cumprimento", considera.

A pedido da Lusa, Mário Cruz escolheu três pontos no seu mapa alternativo da cidade, "muito diferente" do que orienta os turistas.

A primeira paragem faz-se num local "simbólico" de como "o Estado falha todos os dias": em frente ao Palácio de Belém, Mário Cruz lembra que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assumiu o desígnio de "terminar com os sem-abrigo na cidade".

Acontece que, nas costas da sua residência oficial, "há pessoas que não têm um sítio para viver" e que ocupam edifícios devolutos, lado a lado com condomínios privados.

"Trabalham, mas não conseguem de forma alguma pagar a renda de uma casa ou comprar uma casa", descreve, realçando: "Estas pessoas são sem-abrigo, simplesmente não as vemos nas ruas."

A segunda etapa transporta-nos para a zona de Chelas, onde um caminho de terra ladeado por flores coloridas desemboca numa quinta do século XVIII.

A roupa estendida faz prova de vida no edifício entaipado, cujo muro esboroou tanto desde que Mário o fotografou, em abril de 2014, que até a placa onde se lia "Câmara Municipal de Lisboa" caiu.

Nessa altura, com 63 anos, o "senhor Gomes" -- rosto do cartaz da exposição -- perdera o emprego e encontrara ali um "teto improvisado [...] permanentemente em risco de colapsar", ao qual acedia através de um escadote.

Mário distingue três momentos na década que fotografou: a crise financeira de 2013/2014, que se pensava temporária, a esperança da retoma em 2019/2020 e o "ponto de rutura" atual.

"Voltei a alguns dos sítios em 2023 e as pessoas permanecem [...], porque têm uma dificuldade tremenda em arrendar uma casa na capital portuguesa", constata.

Não longe dali, em Marvila, uma escola industrial do Estado Novo serve de abrigo a dezenas de pessoas.

As dimensões do edifício, com capacidade para 850 alunos, são impressionantes. Sobre vidros e telhas partidas, percorrem-se as alas que albergaram cursos profissionais de mecânica, eletrónica e outros.

A escola, desativada em 2010 para deixar passar a Terceira Travessia do Tejo (por fazer), continua de pé, ainda que em avançado estado de degradação, mas soube-se este mês que a demolição vai mesmo para a frente.

Atualmente, vivem ali, há mais ou menos tempo, "trabalhadores comuns, pensionistas, [...] alguns imigrantes", descreve Mário, que destaca o simbolismo de se chegar aos 50 anos da Revolução e haver "uma escola ainda do tempo do Estado Novo a albergar filhos do 25 de Abril".

Aos 59 anos, João faz de duas divisões o seu lar, com porta e tapete. Lá dentro, uma cama, uma mesa, três cadeiras. Na parede, o plantel do Benfica ao lado de uma imagem de Nossa Senhora de Fátima.

No que fotografou, registou "a tentativa" dos residentes de darem "alguma dignidade" aos espaços onde vivem: "As pessoas tentam transformar estes sítios em [...] verdadeiras casas."

Oriundo de Cabo Verde, João chegou a viver na rua antes de, há quatro anos, se instalar na antiga escola, onde diz que encontrou um "bom ambiente".

Na ala onde está vivem "umas 15 pessoas" e cada uma tem o seu fogão, numa cozinha improvisada, que dá "para fazer pitéu". Para o resto, João tem de ir "no meio do mato" e recorrer aos balneários públicos.

"A vida tramou-me", lamenta João, nos minutos de conversa com a Lusa, cuja presença atraiu a polícia, que faz por ali rondas regulares.

É na antiga escola que Mário refere a "questão" que lhe faz "muita confusão": os devolutos do Estado.

"É quase incompreensível como é que, durante tanto tempo, [...] nunca houve um investimento sério ao nível de habitação pública e de aproveitamento de muitos destes edifícios que, de certeza absoluta, conseguiriam dar uma casa digna e muitas pessoas", critica o fundador da associação Narrativa.

A última etapa do percurso é o Antigo Recolhimento das Merceeiras, edifício no coração de Lisboa que a Santa Casa da Misericórdia cedeu para expor "Roof".

Situado na zona da Sé, onde são visíveis os contrastes entre apartamentos sobrelotados com migrantes e os 'tuk tuk' que serpenteiam o destino turístico número um da Europa, o edifício permitiu a Mário conceber uma exposição imersiva, que vai transportar os visitantes para o ambiente dos locais fotografados.

"Quem visitar esta exposição terá que realmente procurar as fotografias, da mesma forma que muitas vezes eu procurava as pessoas nestes locais e vai ter que entrar em diferentes casas e em cada casa vai ver uma peça de toda esta história", explica.

Simultaneamente, o fotógrafo pretende mostrar que "é muito fácil cair" nesta dura realidade.

"Basta não ter o apoio familiar que se calhar muitos de nós temos, basta perder um emprego, basta o contrato de arrendamento não ser renovado e facilmente caímos numa situação de ter que encontrar um teto improvisado", alerta.

A exposição "Roof", com entrada livre, será inaugurada no dia 27, às 15:00, e ficará patente até 09 de junho.

Leia Também: Ai Weiwei exibe em Lisboa cerâmica inspirada na liberdade de expressão

Recomendados para si

;
Campo obrigatório