Meteorologia

  • 16 ABRIL 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 26º

Livro revela entrevistas a 14 militares de Abril (de Otelo a Spínola)

O livro "Vozes da Revolução -- revisitando o 25 de Abril de 1974" foi organizado pelo cientista político norte-americano Paul Christopher Manuel e revela entrevistas inéditas a 14 militares de Abril, de Otelo a Spínola.

Livro revela entrevistas a 14 militares de Abril (de Otelo a Spínola)
Notícias ao Minuto

12:10 - 17/03/24 por Lusa

Cultura 25 de Abril

Lisboa, 17 mar 2024 (Lusa) -- O livro "Vozes da Revolução -- revisitando o 25 de Abril de 1974" foi organizado pelo cientista político norte-americano Paul Christopher Manuel e revela entrevistas inéditas a 14 militares de Abril, de Otelo a Spínola.

Paul Christopher Manuel é lusodescendente e fez um doutoramento em ciência política na Universidade de Georgetown, Washington, nos Estados Unidos, em 1990, que resultou em vários trabalhos sobre a transição e a consolidação democrática em Portugal após a Revolução dos Cravos.

A partir das entrevistas a 14 militares de Abril, foi editado este novo livro na coleção "O 25 de Abril Visto de Fora", iniciativa da Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril em parceria com a editora Tinta-da-china, juntando ensaios de vários historiadores portugueses e estrangeiros como Luís Nuno Rodrigues, Stewart Lloyd-Jones, Nancy Bermeo, David Silva Pereira, Douglas Wheeler e Maria Inácia Rezola, comissária executiva da Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril.

Os entrevistados foram divididos, por Paul Christopher Manuel, entre "reformistas" (António de Spínola, Manuel Monge, Casanova Ferreira e Jaime Neves), "moderados" pró-Europa (Vítor Alves, Fisher Lopes Pires, Vasco Lourenço, Costa Neves, Garcia dos Santos), radical pró-Europa de Leste (Vasco Gonçalves), "populistas", de tendência terceiro-mundista (Otelo Saraiva de Carvalho e Mário Tomé) e "independentes" (Costa Gomes e Carlos Fabião).

No preâmbulo, Nancy Bermeo escreve que estas 14 reflexões dão "uma visão clara da espantosa diversidade" entre os militares envolvidos no golpe e na revolução, do "desastre que foi evitado", numa referência a uma eventual guerra civil, e "dos modos de pensar que foram ora penalizadores ora facilitadores de um final feliz" no processo revolucionário.

Nas entrevistas, os militares responderam, em 1990, "quando os dias agitados da revolução já tinham passado, mas os acontecimentos era suficientemente vívidos para serem recordados com algum pormenor", a uma lista de perguntas, por exemplo, sobre o 11 de Março, a tentativa de golpe de direita que ditou a guinada à esquerda da revolução, ou o 25 de Novembro, o confronto entre a esquerda militar e os chamados "moderados" que ditou o princípio da consolidação democrática.

Três figuras centrais da revolução, Costa Gomes, membro da Junta de Salvação Nacional (JSN), que se tornou Presidente da República após a demissão de Spínola, Vasco Gonçalves, coronel do Exército que foi primeiro-ministro no Verão Quente de 1975, e Otelo Saraiva de Carvalho, estratego do golpe de 25 de Abril, têm opiniões muito diferentes sobre se Portugal esteve ou não à beira de uma guerra civil em 1975.

"Tenho muitas dúvidas", respondeu Vasco Gonçalves a Paul Christopher Paul, apesar de reconhecer que houve "ações contraditórias que poderiam conduzir a isso", um período de "grande agitação, de afrontamento entre as forças conservadoras e as forças de progresso".

Costa Gomes disse que o país "nunca chegou à beira da guerra a não ser na tentativa, absolutamente gorada, do Plano da Maria da Fonte" - forças de extrema-direita, algumas ligadas à ditadura, que lançaram ataques à bomba contra forças e partidos e esquerda e extrema-esquerda.

E Otelo Saraiva de Carvalho tem uma opinião mais taxativa: "Só tive noção clara de que podíamos estar na iminência de iniciar uma guerra civil, como primeira confrontação entre militares, na própria manhã do 25 de Novembro."

NS // JPS

Lusa/fim

Recomendados para si

;
Campo obrigatório