Meteorologia

  • 28 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 27º

Galeria de arte Uma Lulik encerra após seis anos de atividade em Lisboa

A galeria de arte contemporânea Uma Lulik, em Lisboa, dirigida por Miguel Leal Rios, anunciou hoje o encerramento até ao final do ano, "ao fim de seis anos de atividade intensa" com a comunidade artística.

Galeria de arte Uma Lulik encerra após seis anos de atividade em Lisboa
Notícias ao Minuto

18:26 - 09/10/23 por Lusa

Cultura Arte

Num 'e-mail' divulgado pelo diretor da galeria, localizada em Alvalade, é manifestado um "agradecimento especial aos artistas que trabalharam e acreditaram no projeto", entre eles Paulo Arraiano, Diogo Bolota, Fábio Colaço, Paulo Lisboa, Catarina Mil-Homens e Carolina Serrano.

"Temos consciência que o projeto Uma Lulik foi consistente, obtendo o devido reconhecimento, dando oportunidades aos artistas com quem trabalhámos e servindo bem a comunidade artística portuguesa. No entanto, entendemos que o projeto chegou ao fim, depois de seis anos de atividade intensa", lê-se no 'e-mail'.

A galeria tinha inaugurado em outubro de 2017 com a exposição individual "Ausência", reunindo obras inéditas do artista madagascarense Joël Andrianomearisoa, que fazia nelas uma viagem entre a vida e a morte.

Contactado pela agência Lusa, Miguel Leal Rios confirmou o encerramento da galeria e disse não querer dar mais informações sobre a atividade do espaço: "Achei que teve um fim, e não tenho mais nada a acrescentar", declarou, ressalvando que aquele seu espaço nada tem a ver com a Fundação Leal Rios (FLR).

No 'e-mail' divulgado, o diretor agradece também a confiança depositada na galeria pelos colecionadores, curadores, instituições e visitantes em geral, e espera que "continuem a seguir o trabalho artístico dos artistas" do espaço.

Ao longo dos seis anos de atividade, a galeria esteve entre as selecionadas para participar em feiras de arte contemporânea como a ARCOmadrid, em Espanha, a ARCOlisboa e a Drawing Room Lisboa.

Fundada e dirigida por Miguel Leal Rios, a Uma Lulik focou-se essencialmente na arte contemporânea da América do Sul, África, Médio Oriente, Sul da Ásia e respetivas diásporas.

O seu objetivo, de acordo com o projeto inicial da direção, foi divulgar o trabalho de artistas destas regiões do globo, "mantendo um estreito contacto junto dos agentes locais, e funcionando como plataforma de divulgação e promoção do trabalho dos artistas junto do público, curadores, colecionadores privados e institucionais".

A nova galeria pretendeu ainda "contribuir para a desmistificação da arte contemporânea proveniente de outras geografias emergentes, fortalecendo conceitos e aproximando novas práticas artísticas", segundo o projeto divulgado há seis anos.

O nome da galeria - que surge da ligação de Miguel Rios a Timor--Leste, onde viveu parte da infância - significa, em tétum, "o lugar para guardar os objetos sagrados, e também o local para as reuniões e atividades dos ritos tradicionais".

Instituição portuguesa de direito privado, a FLR é presidida por Manuel Leal Rios e tem como diretor e curador Miguel Leal Rios, tendo sido criada com os objetivos primordiais de divulgação, manutenção, preservação e promoção das obras e artistas representados na coleção de arte contemporânea iniciada pelos irmãos em 2002, segundo a descrição no sítio ´online´ da entidade.

Na coleção estão representados artistas portugueses como Lourdes Castro, Helena Almeida, Julião Sarmento, e estrangeiros como Erwin Wurm, Matt Mullican, Cristina Iglesias, Mohau Modisakeng, Lawrence Weiner, Jorinde Voigt, Joël Andrianomearisoa, Becky Beasley e Tristan Perich.

Leia Também: Big Daddy Wilson em festival de blues em Braga

Recomendados para si

;
Campo obrigatório