Meteorologia

  • 18 JUNHO 2021
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

"A menina que vivia no País Azul" dá cor às histórias de cegos

Uma menina que vive num país só com duas cores e que o vai pintar com a ajuda do sol, da lua, do arco-íris, de uma estrela e do vento, é a história de um livro infantil para cegos.

"A menina que vivia no País Azul" dá cor às histórias de cegos
Notícias ao Minuto

18:48 - 26/06/14 por Lusa

Cultura Livros

A obra surge das brincadeiras que a autora faz com o neto, com quem gosta de pintar e de fazer experiências, para criar cores novas.

À Lusa, a autora, Antónia Rodrigues, disse que se trata da história de uma menina que vive num país só com duas cores, o azul-escuro e o azul-claro e que o quer pintar.

Com a ajuda do sol, do arco-íris, da lua, do vento e de uma estrela, "A menina que vivia no País Azul" vai conseguir criar novas cores e pintar o país todo.

"A mensagem é para todos os pais. Temos de dar muito tempo e afeto às nossas crianças porque a criança da história vive muito sozinha", contou Antónia Rodrigues, 57 anos.

O livro foi inicialmente escrito e editado em 2012, mas ver na rua uma criança cega levou a autora a questionar-se sobre como é que seria o seu processo de leitura, como é que percecionaria as ilustrações.

É então que Antónia Rodrigues tem a ideia de adaptar o livro que já tinha escrito num formato acessível a crianças invisuais, tendo para isso contactado a Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO).

Para a elaboração do livro, a escritora pediu também a ajuda de uma professora do ensino especial, que é cega, e de duas alunas, também invisuais, com o objetivo de perceber como é que elas liam a história e de que forma a poderia tornar mais interessante.

"Levei dois desenhos em relevo e pedi à professora para ler a parte da história correspondente e ela disse-me que não tinha ideia de como é que as nuvens eram representadas em desenho", contou Antónia Rodrigues.

Deste contacto, nasceu a ideia de transformar em brinquedo as personagens principais, de modo a que a história ganhe vida nas mãos de quem a lê.

Cada livro traz cinco bonecos, que representam as personagens principais: sol, lua, estrela, arco-íris e gota de água.

A elaboração e edição foram apoiadas por várias empresas, o que permitiu que os 250 livros sejam, na sua maioria, oferecidos e distribuídos entre a Biblioteca Nacional, o Instituto Português de Oncologia e escolas.

Antónia Rodrigues adiantou que alguns serão vendidos numa livraria e que o valor das vendas irá reverter para a ACAPO.

À Lusa, a presidente da ACAPO destacou a importância que este livro pode ter na formação das mentes mais jovens.

"Estes livros cumprem um desígnio importante que é o da sensibilização porque, a partir do momento que conseguimos chegar a este público numa idade mais tenrinha, estamos a contribuir para um desenvolvimento destas crianças para que elas conheçam e aceitem o valor da inclusão", defendeu Ana Sofia Antunes.

Segundo a ACAPO, e com base nos Censos 2011, cerca de 18.299 portugueses (com idades compreendidas entre os 0 e os 14 anos) têm muita dificuldade em ver e 644 pessoas, com a mesma idade, não consegue ver.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório