Meteorologia

  • 30 MAIO 2024
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 30º

Ana Moura, Selma Uamusse, Luca Argel e Retimbrar na Festa de Ovar

Ana Moura, Selma Uamusse, Luca Argel, Retimbrar, Mão Verde, Monte Cara e Batida são os músicos que estarão em palco no próximo sábado no festival Festa, que leva concertos gratuitos ao Parque Urbano de Ovar.

Ana Moura, Selma Uamusse, Luca Argel e Retimbrar na Festa de Ovar
Notícias ao Minuto

13:48 - 05/07/23 por Lusa

Cultura Ovar

A iniciativa que começou como um evento dedicado a vários géneros das artes de rua e que depois se especializou em música lusófona é organizada pela Câmara Municipal de Ovar e arranca às 15:00 na referida zona verde do distrito de Aveiro, nas margens do rio Cáster.

Fonte da autarquia afirma que os espetáculos são vocacionados para o público familiar e realça: "O Festa resulta da vontade de celebrar os sons lusófonos. É uma homenagem à palavra cantada em Português e às sonoridades vindas dos quatro cantos do mundo, (...) este ano às voltas por Portugal, Brasil, Cabo-Verde, Moçambique e Angola".

Sobre os artistas convidados para a edição de 2023, a Câmara começa por referir que a fadista Ana Moura se vai focar no disco "Casa Guilhermina", enquanto a moçambicana Selma Uamusse irá demonstrar "a sua versatilidade, o seu poderoso instrumento vocal e a sua genialidade" numa atuação que percorre desde o rock ao afrobeat, passando pelo gospel, o soul e o jazz.

Do Brasil, Ovar vai receber Luca Argel, numa escolha relacionada com a celebração de referência desse município: "Sendo o Carnaval o maior evento realizado anualmente em Ovar e o samba uma marca dos desfiles e de vivências diversas ao longo do ano, a apresentação do novo disco do cantautor é um desafio à descoberta da raiz desse género musical".

Já do coletivo Retimbrar espera-se "uma homenagem à música popular portuguesa com o novo disco 'Levantar do Chão'", que resulta de várias colaborações com intérpretes ligados às tradições portuguesas, a grupos de Zés Pereiras e a ranchos folclóricos. Além do concerto, o grupo vai ainda dinamizar uma oficina prévia com o Coro Jovem do Orfeão de Ovar, envolvendo-o depois na dinâmica do espetáculo.

Título de disco e de livro, "Mão Verde" é o projeto seguinte, com música de Pedro Geraldes e lengalengas escritas e cantadas por Capicua. "O nome nasce da expressão francesa 'avoir la main verte [ter a mão verde]', que significa possuir jeito para as plantas e talento para a jardinagem", explica a organização do Festa, anunciando pedagogia ambiental em "canções alegres, com sensibilidade e humor, para falar de agricultura, natureza, alimentação e ecologia".

O sexto concerto é o da banca cabo-verdiana Monte Cara e alude ao espaço homónimo apontado como o primeiro clube lisboeta focado na cultura africana. A formação estará em palco com o disco "Re: Imaginar Monte Cara" e contará com os músicos Dany Silva e Leonel Almeida como convidados. 

Quanto a "Batida", que é o nome artístico de Pedro Coquenão, mostrará como um percurso em rádio, música, dança e artes plásticas e visuais pode confluir num DJ Set como o que fez desse performer, segundo a organização do festival, "o primeiro artista português e angolano a protagonizar uma sessão do Boiler Room", projeto londrino de restritas atuações ao vivo para posterior difusão pela internet, por uma audiência mensal na ordem dos 72 milhões de seguidores.

Leia Também: Ana Moura, Bárbara Bandeira e Nininho Vaz Maia atuam em Alcácer do Sal

Recomendados para si

;
Campo obrigatório