Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 14º

Arquivo do cineasta Manoel de Oliveira mostrado em exposição em Serralves

Cartas, fotografias de rodagem, biblioteca pessoal, guiões e documentação para a produção cinematográfica são alguns dos objetos do arquivo de Manoel Oliveira para descobrir na exposição '1.A Bem da Nação (1929-1969)', em Serralves (Porto), até 17 de setembro.

Arquivo do cineasta Manoel de Oliveira mostrado em exposição em Serralves
Notícias ao Minuto

17:43 - 16/03/23 por Lusa

Cultura Manoel de Oliveira

"Esta exposição é um primeiro momento de um ciclo de exposições que incidirá sobre o arquivo do Manoel de Oliveira, integralmente depositado na Casa do Cinema Manoel de Oliveira em Serralves. Prevê-se que seja o primeiro de três momentos. Haverá ainda mais duas exposições que darão continuidade a este primeiro momento", explicou hoje o diretor da Casa do Cinema Manoel de Oliveira, António Preto, em conferência de imprensa, para apresentar oficialmente a exposição '1. A Bem da Nação (1929-1969)'.

A exposição, que é inaugurada hoje, ao final da tarde, incide sobre os primeiros 40 anos da produção cinematográfica de Manoel de Oliveira - ou seja, situa-se entre 1929, o ano em que se inicia a rodagem do seu primeiro filme, 'Douro Faina Fluvial' (1931), e o ano de 1969, que corresponde à época em que Manoel de Oliveira realizou 'As Pinturas do Meu irmão Júlio' (1965) e à criação do Centro Português de Cinema, a cooperativa "responsável por um novo fôlego do cinema português e especificamente da produção de Manoel de Oliveira, que obteve o primeiro financiamento", explicou António Preto, cocurador da exposição, com o cineasta João Mário Grilo.

O primeiro objetivo desta exposição é dar a conhecer o "fragmento póstumo", acrescentou, por seu turno, João Mário Grilo, declarando que a mostra é "uma espécie de filme não filmado que Manoel Oliveira deixou" através do arquivo que o realizador fez em vida.

Sob o título 'A Bem da Nação', expressão conhecida durante o fascismo português e usado em centenas de documentos oficiais de que Manoel de Oliveira foi destinatário durante a ditadura de Oliveira Salazar, tal como milhões de portugueses, a exposição revela igualmente a totalidade da biblioteca do realizador.

Entre as centenas de livros de Manoel de Oliveira destacam-se obras de literatura portuguesa, como as de Camilo Castelo Branco, Jose Régio e Agustina Bessa-Luís, escritores de referência para a sua cinematografia, a par de obras de literatura estrangeira de autores como Alexander Soljenítsin, e o seu "Arquipélago de Gulag", a Leon Tolstoi e Fiódor Dostoiévski.

Para João Mário Grilo, esta exposição é um tributo que se presta a uma "figura histórica que é incomensurável em Portugal".

Em 'A Bem da Nação', a mostra, acede-se à "intimidade" dos processos criativos do realizador, reavaliando as suas dúvidas e as suas convicções, as persistências e inversões de percurso que fazem dele um dos artistas mais irreverentemente inventivos dos últimos 100 anos.

A exposição é um verdadeiro "desarquivar do arquivo", de "ouvir o que ele nos diz e de mostrar o que ele nos mostra", esta exposição "é tanto um estaleiro como uma chamada de trabalhos, um 'work in progess'", lê-se no dossiê de imprensa entregue aos jornalistas

"É uma obrigação da Casa do Cinema mostrar o espólio do realizador", observou João Mário Grilo, avançando que a próxima exposição vai ser sobre o filme 'Amor de Perdição', baseado na obra homónima de Camilo Castelo Branco, que classificou como "revolucionário" na história do cinema português, com as suas quatro horas de duração.

A filmografia realizada por Manoel de Oliveiro entre o período 1929 -1969 inclui "Douro, Faina Fluvial" (1931), 'Aniki-Bobó' (1942), 'O Pintor e a Cidade' (1956), 'O Pão' (1959), 'Acto da Primavera' (1963), 'A Caça' (1964), 'As Pinturas do meu Irmão Júlio' (1965).

A exposição '1. A Bem da Nação (1929-1969)' é inaugurada hoje, oficialmente, às 19h00, na Casa do Cinema Manoel de Oliveira, na Fundação de Serralves, e fica patente ao público a partir de sexta-feira, 17 de março, até 17 de setembro.

Esta é a primeira exposição de um ciclo de intitulado 'Manoel de Oliveira e o Cinema Português', com o objetivo de dar a conhecer o arquivo do realizador, elaborado ao longo de mais de oitenta anos de trabalho, e integralmente depositado em Serralves.

Leia Também: Marcelo promulga autorização sobre direitos de autor no mercado digital

Recomendados para si

;
Campo obrigatório