Meteorologia

  • 06 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 6º MÁX 18º

Crise na habitação em Lisboa é tema de exposição de fotografia

A crise na habitação em Lisboa é o tema da exposição 'New Lisbon', do fotojornalista Gonçalo Fonseca, que procurou documentar, nos últimos três anos, o quotidiano de pessoas que vivem "na sombra do despejo".

Crise na habitação em Lisboa é tema de exposição de fotografia
Notícias ao Minuto

16:16 - 25/01/23 por Lusa

Cultura Exposição

Enquadrada pela "explosão dos preços do mercado imobiliário", pelo "investimento imobiliário estrangeiro não regulamentado" e pelo negócio do alojamento local, a exposição - que vai estar patente na Galeria Santa Maria Maior, em Lisboa, entre 02 de fevereiro e 04 de março - narra o impacto que a incerteza habitacional em Lisboa tem na vida das pessoas mais vulneráveis.

O trabalho - que já foi distinguido nacional (Estação Imagem Vida Quotidiana 2020) e internacionalmente (Leica Oskar Barnak Award para principiante) - inclui 31 fotografias, tiradas nos últimos três anos, e um catálogo, com prefácio de Maria João Costa, membro da Habita! - Associação pelo direito à habitação e à cidade.

Quando regressou a Lisboa de uma viagem de cinco meses à Índia, em finais de 2018, Gonçalo Fonseca confrontou-se com outro olhar sobre a sua cidade, porque a distância "permite encontrar outros sentidos para aquilo que conhecemos tão bem".

Na altura com 25 anos, ainda vivia com os pais e não conseguia, apesar de já estar a trabalhar como 'freelancer', "ter a capacidade financeira sequer de pagar um quarto".

Ora, pensou, se ele não conseguia ter um sítio para viver, como estariam as pessoas que não tiveram as mesmas oportunidades?

Selecionado para fazer a Masterclass Narrativa, projeto do fotojornalista Mário Cruz, começou a pensar no tema da "gentrificação da cidade", que depois evoluiu para um projeto mais focado na habitação.

Durante três anos, Gonçalo Fonseca passou "muito tempo com pessoas que estavam a ocupar casas, em contexto de despejo iminente, que tinham construído os seus próprios abrigos em bairros autoconstruídos".

O fotojornalista apercebeu-se que a cidade onde nasceu "estava a mudar a um ritmo extremamente acelerado" e que "havia muitas coisas que se estavam a perder, muitas lojas a fechar, muitos restaurantes a mudar de gerência, muitas pessoas a serem despejadas".

Ao mesmo tempo que novos hotéis e alojamentos locais ocupavam velhos prédios, as histórias que lá moravam e que fazem o tecido cultural e social da cidade corriam o risco de se perder. Isso impôs-lhe "a necessidade urgente de as documentar".

As pessoas retratadas, descreve, "são muito diferentes, de todas as faixas etárias, de todas as etnias, espalhadas pela cidade e pela periferia", mas têm algo em comum: vivem "em condições precárias de habitação".

Gonçalo Fonseca destaca que "a maior parte" das pessoas fotografadas "trabalham, ganham o salário mínimo, têm famílias numerosas e não conseguem, na cidade, garantir um espaço digno".

Assumindo o seu "papel político e ativista", o fotojornalista faz um convite à reflexão e à tomada de consciência.

"A habitação não deve ser só considerada como um ativo financeiro [...], mas sim um direito fundamental, que tem de ser cada vez mais assegurado pelos Estados, com o qual se estabelece toda a fundação de uma vida. Precisamos todos de um espaço para viver, para descansar, um abrigo seguro e, quando não o temos, isso tem um impacto brutal", realça.

"Os problemas de habitação afetam-nos a todos", vinca, apontando o dedo ao "mercado imobiliário desregulado que não tem em conta os rendimentos das pessoas que vivem e trabalham na cidade".

Leia Também: "Obrigado". Artista 'Hopare' oferece escultura ao município de Lisboa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório