Meteorologia

  • 07 FEVEREIRO 2023
Tempo
12º
MIN 6º MÁX 14º

PSD quer saber por que foi arquivado inquérito ao desaparecimento de arte

O PSD quer conhecer as conclusões do Ministério Público para o arquivamento do inquérito ao desaparecimento de dezenas de obras de arte do Estado, e saber que medidas vai o Ministério da Cultura tomar relativamente às que têm localização desconhecida.

PSD quer saber por que foi arquivado inquérito ao desaparecimento de arte
Notícias ao Minuto

15:31 - 09/12/22 por Lusa

Cultura Cultura

Em causa está a decisão do Ministério Público, conhecida no dia 29 de novembro, de arquivar o inquérito ao desaparecimento de 94 obras da Coleção de Arte Contemporânea do Estado, após dois anos e meio de investigação.

Além das obras de arte desaparecidas, há outras 18 cuja localização não é conhecida "ou é necessário retificar", como admitiu o Ministério da Cultura em 2020, quando remeteu o caso para a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os deputados do grupo parlamentar do PSD divulgaram hoje uma pergunta ao Ministro da Cultura, com data de 06 de dezembro, com o objetivo de saber "quais as conclusões ou fundamentos constantes do relatório levado a cabo pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa que levaram ao arquivamento do respetivo inquérito".

O grupo parlamentar do PSD desafia também o Ministério da Cultura a "enviar à Assembleia da República o Relatório de arquivamento" da PGR.

Os sociais-democratas querem também saber que iniciativas pondera o Ministério da Cultura tomar para esclarecer as dúvidas que subsistem quanto às obras de arte cuja localização não é conhecida, uma situação que descrevem como "insólita".

O inquérito ao desaparecimento de 94 obras de arte da coleção do Estado tinha sido aberto em julho de 2020 pelo DIAP de Lisboa, depois de o Ministério da Cultura ter enviado ao Ministério Público um relatório da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) para apurar o paradeiro das obras em falta.

Em 29 de novembro deste ano, fonte do gabinete de imprensa da PGR, contactada pela Lusa, indicou que o inquérito em causa "conheceu despacho de arquivamento".

O relatório da DGPC dava conta de 94 obras de arte da antiga Coleção SEC (Secretaria de Estado da Cultura) com paradeiro desconhecido, e outras 18 obras de arte "cuja localização não é conhecida, ou é necessário retificar com o Centro Português de Fotografia", no Porto.

Na altura, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, tinha anunciado o envio do relatório ao Ministério Público, justificando que a tutela não tinha competências de investigação e, por isso, o documento seria "encaminhado para as devidas instâncias".

Por seu turno, a PGR remeteu o documento ao DIAP de Lisboa, onde deu origem a um inquérito, indicou em julho fonte oficial contactada pela Lusa: "Este processo encontra-se em investigação e está sujeito a segredo de justiça externo", indicou aquela fonte.

O relatório da DGPC alertava para "a existência de obras por localizar", constituindo "uma fragilidade da coleção" de arte contemporânea.

Entre as obras de arte cujo paradeiro é desconhecido estão gravura, desenho, pintura, escultura de, entre outros, José de Guimarães, Malangatana, Xana, Helena Almeida, Jorge Pinheiro, Abel Manta, Júlio Pomar e Graça Morais.

A Lusa contactou o Ministério da Cultura para obter uma reação, e o gabinete de imprensa indicou que o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, "não comenta" o arquivamento do inquérito.

Iniciada em 1976, a chamada coleção SEC - atual Coleção de Arte Contemporânea do Estado - reúne cerca de um milhar de obras, sobretudo de artistas portugueses, como Helena Almeida, Julião Sarmento, José de Guimarães, Abel Manta, Júlio Pomar, Ilda David, Noronha da Costa.

Também inclui artistas estrangeiros como Andy Warhol, Robert Mapplethorpe e Sebastião Salgado, encontrando-se dispersa por vários organismos públicos, culturais e não culturais, em Portugal e fora do país.

"O constante movimento de circulação de obras ao longo de mais de quatro décadas de existência da coleção, nem sempre [foi] acompanhado do indispensável registo documental e em sede de inventário", lia-se no relatório, validado pela então diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva.

O anterior documento oficial de inventário da coleção data de 2011, e registava 170 obras cuja localização era desconhecida.

Neste novo inventário foram atualizados e expurgados registos, esclarecidas informações sobre o paradeiro de obras de arte, tendo a DGPC chegado à soma de 94 obras em parte incerta.

Outras 18 obras de fotografia têm também paradeiro desconhecido, mas não foram tidas em conta neste inventário, porque não estão sob a alçada da DGPC, embora sejam de cariz público, pois fazem parte do acervo do Centro Português de Fotografia, sob gestão da Direção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas.

A coleção de arte contemporânea do Ministério da Cultura está dispersa por organismos como embaixadas, direções-regionais de Cultura, mas a maioria encontra-se na Fundação de Serralves (553 obras), no Porto, na Câmara Municipal de Aveiro (159) e no Centro Cultural de Belém (37), em Lisboa.

[Notícia atualizada às 17h17]

Leia Também: Alexandra Lucas Coelho vence Prémio Oceanos com 'Líbano Labirinto'

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório