Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 14º

Rússia boicota Óscares pela primeira vez desde fim da URSS

O país não vai enviar qualquer filme para a consideração da Academia e o diretor da academia russa apresentou a demissão.

Rússia boicota Óscares pela primeira vez desde fim da URSS
Notícias ao Minuto

16:12 - 27/09/22 por Notícias ao Minuto

Cultura Cinema

A Rússia vai boicotar os Óscares, os maiores e mais reconhecidos prémios do cinema mundial, numa decisão que aumenta ainda mais a isolação cultural criada pela guerra na Ucrânia. É a primeira vez que o país não vai apresentar qualquer filme para a consideração da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas norte-americana desde o final da Guerra Fria, e a queda da União Soviética.

Num comunicado, citado pelo The Guardian, a academia russa anunciou a decisão, sem explicar os motivos.

O boicote não foi bem acolhido pelo diretor da Academia Russa de Cinema, Pavel Chukray, que, numa carta publicada pela agência estatal TASS, revelou o seu descontentamento com a decisão.

"A liderança da academia decidiu unilateralmente não nomear um filme russo para as nomeações dos Óscares", afirmou Chukray, acrescentando que a medida era "ilegal" e que foi tomada "nas suas costas".

No mesmo comunicado, o diretor apresentou a sua demissão da academia russa.

A Rússia tem um forte histórico na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira, vencendo em 1994 e sendo nomeado em 2014 e 2017.

O diretor Nikita Mikhalkov, que realizou o filme 'Burnt', vencedor do galardão em 2014, tem sido um forte defensor do Kremlin e da invasão na Ucrânia, argumentando numa entrevista à TASS que a Rússia pouco ganha em enviar filmes aos Óscares. Ao invés, propõe um concurso entre países da antiga União Soviética.

Em 2014 e 2017, Andrey Zvyangintsev foi o diretor responsável pelos filmes que conquistaram nomeações em 2014 e 2017, 'Leviathan' e 'Loveless' respetivamente. Os filmes abordaram problemas sistémicos na Rússia, especialmente a corrupção e o poder da Igreja Ortodoxa na política russa, causando algum alvoroço em Moscovo.

A guerra na Ucrânia tem tido algumas repercussões na cultura pelo mundo fora, com algumas orquestras e salas de espetáculos a cancelarem concertos envolvendo compositores russos, como Tchaikovsky, Rachmaninoff e Rimsky-Korsakov; e algumas livrarias foram acusadas de censurar autores russos como Tolstoi e Dostoievski, ao retirar os livros destes escritores das prateleiras.

Alguns denunciaram a reação cultural à guerra, com algumas instituições culturais a acabarem por remover obras de arte de autores russos cujos temas demonstravam, precisamente, os problemas no interior da sociedade e do estado russos.

Leia Também: Óscares. Filme 'Alma Viva' é o candidato de Portugal a uma nomeação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório