Meteorologia

  • 01 OUTUBRO 2022
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 27º

Trabalhadores da Cultura surpresos com aprovação de alteração a estatuto

Duas entidades e o sindicato que representam os trabalhadores da Cultura manifestaram-se hoje surpreendidos pela aprovação de um decreto-lei que altera o Estatuto dos profissionais do setor e pela marcação, posterior, da primeira reunião da comissão de acompanhamento.

Trabalhadores da Cultura surpresos com aprovação de alteração a estatuto
Notícias ao Minuto

17:56 - 23/09/22 por Lusa

Cultura Cultura

O Governo aprovou, na quinta-feira em Conselho de Ministros, um decreto-lei -- promulgado já hoje pelo Presidente da República - que altera o Estatuto dos Profissionais da Cultura, "no sentido de simplificar e tornar mais proporcional o seu funcionamento", sem mais detalhes e sem tornar o documento disponível.

À agência Lusa, fonte oficial do Ministério da Cultura apenas explicou hoje que o decreto-lei aprovado "compreende alterações cirúrgicas e pontuais que pretendem agilizar e desburocratizar alguns procedimentos previstos no mesmo, designadamente para agilizar a comunicação dos contratos de prestação de serviços".

Contactadas pela agência Lusa, três estruturas representativas dos trabalhadores da Cultura mostraram-se surpreendidas pela aprovação do decreto-lei e disseram desconhecer o teor do documento, tendo tido acesso apenas a uma proposta, enviada no início de setembro pelo Ministério da Cultura, solicitando-lhes um parecer.

O ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, "propôs esta alteração do estatuto, sem reunir a comissão [de acompanhamento], sem nunca estabelecer nenhum diálogo, desde que é ministro, sobre este assunto. Dá-nos dez dias para fazer um parecer. Esta alteração não é inócua. Não conseguimos perceber porquê esta alteração e porque não outras", afirmou à agência Lusa Amarílis Felizes, da Plateia - Associação de Profissionais das Artes Cénicas.

Também Maria João Garcia, da REDE -- Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, explicou à Lusa que "estranharam" a ausência de qualquer reunião da comissão de acompanhamento do estatuto, tendo sido "surpreendidos" com a aprovação do decreto-lei e com a publicação, hoje em Diário da República, de uma portaria que altera o sistema de emissão de faturas, recibos e faturas-recibo da Autoridade Tributária, no contexto do Estatuto dos Profissionais da Cultura.

"É muito estranho que as entidades recebam isto sem a comissão ser reunida primeiro", declarou Maria João Garcia, que lamentou que haja "um diálogo que não estará a correr da melhor forma", disse.

Sobre o documento com alterações ao estatuto, enviado no início de setembro pelo Ministério da Cultura, a REDE, a Plateia, assim como a Ação Cooperativista, a Acesso Cultura, a Associação Portuguesa de Realizadores, a Performart e o Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, de Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE) assinaram um parecer conjunto, ao qual a Lusa teve acesso, apelando a Pedro Adão e Silva para que convocasse "com a máxima urgência" a Comissão de Acompanhamento do Estatuto, "sede própria para a reflexão e discussão da implementação da legislação e de eventuais alterações".

Segundo a legislação, a comissão de acompanhamento da implementação do estatuto conta com a participação "das associações representativas e sindicais do setor da cultura", e deve reunir-se, no mínimo, a cada trimestre.

O estatuto entrou em vigor a 01 de janeiro e aquela comissão ainda não teve qualquer reunião.

Hoje, as entidades representativas foram informadas pelo Ministério da Cultura de que a primeira reunião da comissão acontecerá a 12 de outubro, disse Amarílis Felizes à Lusa.

"Esperamos que não seja o simulacro de uma conversa", disse.

Segundo os representantes contactados pela agência Lusa, a principal alteração proposta para o estatuto dizia respeito às entidades contratantes dos trabalhadores.

"Pelo que nós sabemos, [o decreto-lei] altera a presunção e a obrigação das entidades contratantes a demonstrar que o trabalhador a quem são pedidos serviços é de facto um recibo verde ou não. Deixa de ser uma preocupação. [...] Agora a responsabilização da Segurança Social fica do lado de quem o patrão quiser. Isto é o caminho direto para o fim da utilidade do estatuto", afirmou à Lusa Rui Galveias, do Cena-STE.

"Não é nenhum pormenor. Era o único instrumento do estatuto que visava combater os falsos recibos verdes, que é uma das principais razões de precariedade e da falta de proteção social do setor", sublinhou Amarílis Felizes.

A confirmar-se, porque desconhece o teor final do que foi aprovado, a dirigente da Plateia lamenta que o Governo esteja a "agir para responder a interesses de setores minoritários dentro da área da Cultura", nomeadamente "os grandes festivais e outro tipo de estruturas deste género".

"É o fim da única coisa boa que o estatuto tinha, que ajudava a tentar mudar alguma coisa. [O ministro da Cultura] respondeu a um apelo dos patrões do setor, que pediam para não terem de ser eles a demonstrar se um trabalhador deve ou não ser recibo verde. Transformou o estatuto num objeto inerte", afirmou Rui Galveias.

O estatuto, que entrou em vigor a 01 de janeiro, abrange profissionais das artes do espetáculo, do audiovisual, das artes visuais, da criação literária e da mediação cultural, e abrange três eixos: o registo dos trabalhadores; a estipulação de contratos de trabalho; um regime contributivo e de apoios sociais, nomeadamente o acesso ao subsídio em caso de "situação involuntária de suspensão da atividade cultural".

Em maio passado, numa audição parlamentar, a propósito do Orçamento do Estado para 2022, Pedro Adão e Silva admitiu que havia procedimentos no estatuto que podiam ser melhorados a tempo da entrada em vigor da fase de proteção social, em julho.

"Há um caminho a fazer, nomeadamente de simplificação de procedimentos. É possível simplificar procedimentos das empresas" até julho, altura em que entra em vigor a legislação sobre proteção social, e até outubro, quando os beneficiários podem começar a receber apoios sociais, disse.

Em matéria de combate à precariedade, Pedro Adão e Silva admitiu que não era possível "ter como ambição acabar com todos os vínculos precários da Cultura".

"Acho que não é desejável, do ponto de vista de muitos trabalhadores da Cultura. Tenho muita dificuldade em perceber isso. Há profissões que, pela sua natureza, têm de manter esta possibilidade de ter vínculos precários. A precariedade, em muitas situações, não é um mal absoluto, mas devemos concentrar-nos em corrigir e contrariar a precariedade que efetivamente é um problema", afirmou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório