Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2022
Tempo
MIN 7º MÁX 14º

Cascais acolhe exposição com 136 obras da fotógrafa Margaret Watkins

A exposição 'Margaret Watkins -- Black Light' vai reunir em Cascais, a partir de domingo, uma seleção de 136 fotografias e fotomontagens realizadas entre 1914 e 1939, que revelam os temas de eleição da fotógrafa canadiana.

Cascais acolhe exposição com 136 obras da fotógrafa Margaret Watkins
Notícias ao Minuto

14:03 - 20/09/22 por Lusa

Cultura Cascais

Pela primeira vez em Portugal, a mostra sobre a obra de Margaret Watkins (1884--1969) será apresentada no Centro Cultural de Cascais até 08 de janeiro de 2023, por iniciativa da Fundação D. Luís I e da Câmara Municipal de Cascais, no âmbito da programação do Bairro dos Museus.

Documentos e objetos originais, uma câmara de época e um filme documentário sobre a fotógrafa natural de Hamilton, no Canadá, completam esta exposição de uma autora que se tornou uma figura destacada na história da fotografia do século XX.

Em 1969, perto do fim da vida, Margaret Watkins -- que não falava sobre o seu passado como fotógrafa -- entregou uma caixa lacrada contendo todas as suas fotografias e negativos a um vizinho, Joseph Mulholland, com instruções para que a caixa só fosse aberta após a sua morte, recorda a organização da mostra, em comunicado, sobre a artista.

A trajetória de vida levou-a a viver nos Estados Unidos e no Reino Unido a partir de 1908, onde captou retratos e paisagens, naturezas-mortas, cenas de rua, e também fez trabalhos de publicidade e design.

Nascida numa família privilegiada, Watkins "viveu uma vida de não-conformismo, rejeitando a tradição e os papéis de género atribuídos às mulheres na época", assinala a organização, sobre a autora.

Na juventude, desenvolveu a sua sensibilidade para as artes, dedicando-se principalmente à música, ao desenho e à poesia, disciplinas que moldariam o estilo e a linguagem da sua produção artística.

Apesar de ter começado a fotografar ainda antes da década de 1920, é neste período que se dá o auge da sua carreira: a viver em Nova Iorque, ganhou prémios em exposições internacionais, abriu o seu próprio estúdio dedicado a publicidade, e ensinou fotografia na Clarence H. White School of Photography, onde teve entre os seus alunos Margaret Burke-White e Paul Outerbridge, outros nomes que se destacariam na fotografia.

As primeiras secções da exposição, 'Genesis of a work 1908--1915", "Portraits' e 'New York, 1915--1928', incluem fotografias representativas dessa fase.

Na mesma altura, Watkins voltou a sua atenção para os objetos mundanos ao seu redor e, nos estudos fotográficos que realizou sobre o universo doméstico, produziu algumas das suas imagens mais emblemáticas.

A cozinha e casa de banho da sua casa aparecem em várias fotografias atualmente consideradas seminais por estudiosos e críticos de arte, como por exemplo 'The Kitchen Sink' (1919), 'Still life -- Bathtub' (1919), ou 'Domestic Symphony' (1919), esta última particularmente emblemática do seu interesse pela música.

Quando morreu, em novembro de 1969, deixou a maior parte herança a instituições de caridade voltadas para a educação musical.

Anne Morin, curadora da mostra, citada no comunicado, sublinha que o estilo modernista de Watkins "sugere a sua capacidade de antecipar as grandes revoluções estéticas e conceptuais que viriam depois".

Na sua fotografia "é estabelecido um diálogo incessante entre arte e vida doméstica, fundindo tema e objeto na mesma coisa, conceito que utilizaria ao longo da carreira, tanto no trabalho pessoal, quanto nos trabalhos publicitários para agências como a Reimers, o grupo editorial Condé Nast e revistas como Ladies' Home Journal and Country, entre outras", aponta a curadora.

Em 1928, Watkins viajou para a Europa, passando por várias cidades no Reino Unido, França, Alemanha e Rússia, antes de estabelecer residência em Glasgow, na Escócia, onde teve de cuidar da antiga casa da sua família e das tias idosas.

Assoberbada pelas obrigações familiares, Watkins abandonaria a fotografia enquanto carreira, mas continuou a captar imagens como 'Black Light', que ilustram essa fase da vida e a produção artística, especialmente as fotomontagens que criou a partir de pormenores das suas próprias fotografias para construir motivos e padrões decorativos que oferecia a fabricantes de têxteis e tapetes.

Leia Também: Astronomia. Estas são as melhores fotografias do ano

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório