Meteorologia

  • 13 ABRIL 2024
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 29º

"A visão que Salazar tinha encontra eco nos dias de hoje"

Escritor Rui Carvalheira apresenta 'As Duas Faces de Salazar', uma obra de sistematização do percurso governativo do ditador, tentando medir o que deixou de bom e de mau ao país.

"A visão que Salazar tinha encontra eco nos dias de hoje"

Rui Carvalheira foi criado em Democracia, crescendo a ouvir falar de "Salazar, da ditadura e do Estado Novo, com opiniões que se dividiam entre o repúdio e o saudosismo". 

Em entrevista ao Notícias ao Minuto, diz que apesar ter vivido entre opiniões opostas sobre o ditador, "em concreto, pouco sabia do que Salazar tinha feito".

"Que medidas tinha tomado? Que sucessos teve? Onde fracassou? Que medidas tomou, que pacotes legislativos aprovou, como era a relação com os restantes órgãos de soberania e com os militares? E que impacto teve na vida dos portugueses, a organização e o funcionamento do regime?" Foi a busca de respostas para estas perguntas que motivou o autor a escrever 'As Duas Faces de Salazar' e são essas respostas que o leitor pode encontrar no livro que não pretende ser uma biografia. 

A obra não se centra na vida de Salazar mas sim "nas políticas e ideias do Estado Novo". Para o autor, o livro pode ajudar a 'explicar' os dias de hoje " na medida em que o presente não nasce do vazio, mas sim a partir de qualquer coisa que já existe". 

 Mas as circunstâncias que rodearam Salazar e a ideologia que o suportou não desapareceu. 

"A extrema-direita continua a existir, os regimes ditatoriais continuam bem presentes no mundo e a visão do mundo, do governo e da sociedade que Salazar tinha, encontra eco nos dias de hoje", considera ainda Rui Carvalheira, recordando que a ditadura militar impôs-se em Portugal, em grande parte, "como resposta à crise e à violência que atravessou todo o período da 1.ª República". 

Ou seja, perante a crise, a violência e as dificuldades, as populações voltaram-se para regimes nacionalistas e autoritários. Pese embora o mundo de hoje seja "bastante mais integrado e global do que era no início do século XX" e que os problemas que a globalização e o internacionalismo trouxeram ao modelo democrático ocidental, sejam "diferentes dos que afetaram a Europa durante as décadas de 1920 ou 1930", a procura por "governos fortes e musculados (quando não mesmo abertamente autoritários), vistos como os únicos capazes de impor ordem, assegurar estabilidade e defender os interesses nacionais, não só continua a existir, como explica, em parte, o recrudescimento da extrema-direita no continente europeu", acredita o escritor.

Para Carvalheira, compreender como surgiram e como se implementaram as ditaduras durante essas décadas, não só nos ajuda a compreender o que vivemos hoje, como nos serve de alerta, "olhando para as consequências desastrosas que as ditaduras militares e os regimes fascistas tiveram". 

Queda da cadeira e de regime

A famosa “queda da cadeira”, diz o autor, é uma boa metáfora para o que foi o regime.

O regime, tal como o ditador, caiu. Não houve transição

Marcelo Caetano sucedeu a Salazar, mas o que se seguiu à 'Primavera Marcelista' foi o "estertor final do regime". Segundo Carvalheira, para tal muito contribuiu a ação do próprio Salazar. Ao longo de quase 40 anos de poder, o ditador "pouco ou nada fez para assegurar a sua sucessão e a continuidade do regime", agarrando-se ao poder. 

"Talvez porque Salazar era um homem cronicamente desconfiado, que se via a si mesmo como um líder providencial", considera.

São diferentes as versões sobre o que aconteceu naquele dia 3 de agosto de 1968 no forte de Santo António da Barra, no Estoril, mas certo é que esse foi o momento que marcou o fim de António Oliveira Salazar.

A gravidade da situação não foi entendida de imediato e só dias mais tarde o Presidente do Conselho foi visto por médicos que, alarmados, avançaram para uma cirurgia à zona do crânio - onde era bem visível um hematoma.

Salazar só foi substituído, após ter ficado física e psiquicamente incapaz. O período que vai desde a 'queda da cadeira' até à sua morte é "sintomático", afirma Carvalheira.

Mesmo estando totalmente incapacitado para manter as funções de Presidente do Conselho, o regime, na figura do Presidente da República Américo Thomaz, resistiu à troca, ao ponto de terem mantido uma farsa perante Salazar, a quem nunca ninguém disse que tinha sido substituído à frente do Governo, mesmo depois da nomeação de Marcelo Caetano. "Este incidente, com tudo o que tem de risível, revela um importante ponto político: o regime estava de tal modo associado à figura de Salazar, que dificilmente sobreviveria sem ele, como, de resto, se veio a comprovar", reflete. 

Que país deixou Salazar?

Após 40 anos no poder e uma queda ainda hoje envolta em mistério, é inegável para o autor "que Salazar deixou um país estável, pacato e ordeiro", mas também profundamente atrasado, "com baixos níveis de literacia e dominado por um modelo político-económico, que limitou em muito a progressão social dos cidadãos e a capacidade do pais de competir num mercado global e aberto".

Aqui, importa ainda não esquecer a guerra do ultramar, feita em defesa de um modelo colonial, que após a II Guerra Mundial, "valeu a Portugal o opróbrio internacional". 

Findada a investigação, o autor permite-se concluir que "há que reconhecer alguns sucessos a Salazar, em particular a capacidade que teve de recuperar as finanças e o prestígio internacional do país". Contudo, há que entender que tal foi conseguido "através de uma forte austeridade imposta um regime elitista, fechado e repressivo, que deu origem a uma sociedade estagnada e discriminatória, marcada por enormes desigualdades, que votaram a maioria da população a uma pobreza sistémica". 

Notícias ao Minuto
© D.R.

Salazar errou, pondera o autor, por não ter compreendido, "ou ter recusado entender", as mudanças que se operaram a nível internacional após a II Guerra Mundial, às quais respondeu "mantendo o regime fechado", em contraciclo com a Europa Ocidental, onde, "à exceção da Espanha, liberdade, Democracia e Direitos Humanos se tornaram palavras de ordem".  

Leia Também: 'Caricaturas Portuguesas dos Anos de Salazar' regressa às livrarias

Recomendados para si

;
Campo obrigatório