Meteorologia

  • 27 MAIO 2022
Tempo
32º
MIN 16º MÁX 35º

Marco Martins filmou 'Um corpo que dança' sobre o Ballet Gulbenkian

A existência do Ballet Gulbenkian no contexto da história da dança em Portugal é contada no documentário 'Um corpo que dança', de Marco Martins, que antestreia no dia 25, em Lisboa, anunciou hoje a Fundação Calouste Gulbenkian.

Marco Martins filmou 'Um corpo que dança' sobre o Ballet Gulbenkian
Notícias ao Minuto

13:11 - 20/01/22 por Lusa

Cultura Ballet Gulbenkian

'Um corpo que dança' conjuga imagens inéditas de arquivo e entrevistas a criadores, historiadores, bailarinos e diretores do Ballet Gulbenkian, extinto pela fundação em 2005.

"Além de dar a ver o trajeto de uma das maiores companhias de dança portuguesas do século XX, a obra revela o modo como o Ballet Gulbenkian espelhou a sociedade em que viveu", refere a fundação em comunicado.

O filme de Marco Martins conta com depoimentos de nomes como as coreógrafas Olga Roriz, Vera Mantero, Clara Andermatt, o coreógrafo Vasco Wellenkamp, assim como Jorge Salavisa e Milko Sparemblek, antigos diretores artísticos do Ballet Gulbenkian.

A companhia de dança Ballet Gulbenkian foi fundada em 1965 e extinta em 2005.

A decisão de extinguir a companhia foi anunciada num contexto de mudanças no panorama da dança em Portugal e no âmbito de uma reestruturação da fundação, cujo conselho de administração era, à época, presidido por Rui Vilar.

A companhia tinha 27 bailarinos e era dirigida pelo coreógrafo e programador Paulo Ribeiro.

"Quarenta anos depois, o panorama da dança em Portugal alterou-se profundamente" no que se refere à "criação, acesso ao reportório internacional e formação profissional", sustentou a administração da fundação em 2005.

Para contrabalançar a decisão, a fundação propôs a criação de bolsas de formação, programas de apoio a digressões no estrangeiro, e apoio a escolas e companhias através e 'ateliers' e 'masterclasses' com professores convidados.

Na altura, a decisão da Fundação Calouste Gulbenkian causou surpresa na comunidade de profissionais da dança e até protestos por parte de diversas entidades privadas e partidos políticos.

Entre 1965 e 1969, a direção artística do Ballet Gulbenkian esteve a cargo do coreógrafo britânico Walter Gore, com quem a companhia adquiriu e consolidou o caráter profissional da dança.

Na década seguinte, entre 1970 e 1975, a companhia teve como diretor artístico o croata Milko Sparemblek, que a conduziu para a dança moderna, mantendo alguns clássicos cujas criações foram assinadas pelo próprio Sparemblek.

Jorge Salavisa, diretor artístico entre 1977 e 1996, imprimiu uma abertura da companhia à contemporaneidade, encorajou a revelação e apoiou o desenvolvimento da carreira de coreógrafos nacionais, fomentando, ainda, a formação de bailarinos portugueses através de cursos especiais anexos ao Ballet Gulbenkian.

Entre março de 1996 e julho de 2003, a direção artística da companhia esteve a cargo da brasileira Iracity Cardoso, tendo sido sucedida por Paulo Ribeiro até ao final.

"Um corpo que dança" foi produzido pela Vende-se Filmes, com o apoio da RTP, e a estreia tanto em sala como em televisão não tem ainda data anunciada.

Leia Também: Filme de Marta Ramos e José Oliveira integra festival espanhol

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório