Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 19º

Edição

João Cutileiro é uma figura "incontornável" nas artes plásticas

O escultor Pedro Fazenda enalteceu hoje a figura de João Cutileiro, que morreu aos 83 anos, considerando que "ocupa um lugar" de destaque na área das artes plásticas, pela sua "relação com a produção artística".

João Cutileiro é uma figura "incontornável" nas artes plásticas
Notícias ao Minuto

12:53 - 05/01/21 por Lusa

Cultura Óbito

"A figura do João Cutileiro é incontornável, primeiramente nas artes plásticas, e ocupa um sítio que não foi ocupado por mais ninguém", pela sua "relação com a produção artística", afirmou Pedro Fazendo, em declarações à agência Lusa.

Pedro Fazenda notou que o escultor "teve uma importância muito grande no panorama da escultura nacional e internacional", realçando que uma das razões está relacionada com a "sua própria criatividade e pelo seu génio artístico".

Por outro lado, sublinhou, também foi importante "por ter reformulado a relação com um material de excelência para a escultura, que é a pedra, renovando métodos de trabalho e a própria relação do objeto artístico com a sociedade e a produção".

Esta renovação "teve uma importância muito grande e, muitas vezes, é escondida pela visibilidade que o trabalho dele teve, sobretudo, durante umas décadas", assinalou Pedro Fazenda, que está ligado à Associação Pó de Vir a Ser, com sede em Évora.

O escultor vincou que a obra "vai continuar", porque se "propaga e contamina outros criadores", e que João Cutileiro "continua vivo no meio de quem trabalha em pedra, de quem faz escultura e de quem se expressa por método artístico".

Fazenda lembrou a sua participação no Simpósio Internacional de Escultura em Pedra de 1981, que se realizou, em 1981, em Évora, em que contou na sua organização com João Cutileiro, onde teve o seu primeiro contacto com a cidade alentejana e fez "o primeiro trabalho a sério em pedra".

João Cutileiro estava internado num hospital de Lisboa com graves problemas do foro respiratório, indicou ao início da manhã de hoje, à agência Lusa, a diretora regional de cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira.

João Cutileiro é autor do Monumento ao 25 de Abril, instalado no Parque Eduardo VII, em Lisboa, entre outras obras.

Cutileiro viveu e trabalhou em Évora desde 1985. Frequentou os ateliês de António Pedro, Jorge Barradas e António Duarte de 1946 a 1950, tendo feito a sua primeira exposição individual ("Tentativas Plásticas") em 1951, com 14 anos, em Reguengos de Monsaraz, onde apresentou esculturas, pinturas, aguarelas e cerâmicas.

Foi condecorado com a Ordem de Sant'Iago da Espada, Grau de Oficial, em agosto de 1983, e recebeu o Doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Évora e pela Universidade Nova de Lisboa, este último, concedido em 2017.

Em 2016, foi anunciada a doação do espólio de Cutileiro ao Ministério da Cultura, através da Direção Regional de Cultura do Alentejo, e à Câmara e Universidade de Évora, tendo esta oferta ao Estado português sido formalizada em 2018, quando o escultor recebeu a Medalha de Mérito Cultural.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório