Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2020
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

Portugal é o país em destaque no Mercado Internacional do Cinema Clássico

Portugal será o país convidado do Mercado Internacional do Cinema Clássico, um evento que decorrerá este mês em paralelo ao Festival Lumière, em Lyon, França, e que contará com dois filmes portugueses restaurados.

Portugal é o país em destaque no Mercado Internacional do Cinema Clássico
Notícias ao Minuto

14:38 - 01/10/20 por Lusa

Cultura Cinema

Na página oficial, a organização elogia a riqueza de um "património cinematográfico extremamente variado", onde convivem "o documentário, o cinema mudo, político, social e os géneros populares".

A oitava edição do Mercado Internacional do Cinema Clássico está marcada de 13 a 16 de outubro, estando previsto um programa de encontros, debates e projeção de dois filmes portugueses: "Fado, História d'uma cantadeira" (1947), de Perdigão Queiroga, e "Mudar de vida" (1966), de Paulo Rocha.

Nos debates estarão presentes o diretor da Cinemateca Portuguesa, José Manuel Costa, o produtor e exibidor Pedro Borges, da Midas Filmes, o diretor da RTP Memória, Gonçalo Madaíl, e uma das responsáveis da plataforma Filmin Portugal, Anette Dujisin.

Segundo o Instituto do Cinema e do Audiovisual, este é "o primeiro e único mercado de filmes clássicos no mundo".

O festival Lumière, que começa no dia 10, é dedicado ao património cinematográfico, honrando a ligação do evento aos irmãos Lumière, pioneiros na história do cinema.

Na programação deste festival será exibido o filme "O movimento das coisas", de 1985, primeiro e único filme da realizadora portuguesa Manuela Serra.

O filme foi digitalizado e restaurado, e regista o quotidiano da comunidade rural de Lanheses, no concelho de Viana do Castelo.

A produção do filme demorou vários anos e teve uma estreia premiada no Festival de Mannheim, na Alemanha, na década de 1980, e depois em Portugal, no Festróia, mas a obra nunca chegou ao circuito comercial português.

Manuela Serra nasceu em Lisboa, em 1948, estudou cinema em Bruxelas, mas rumou a Portugal logo depois da Revolução de Abril de 1974. Foi assistente de realização e montadora do filme "Deus, Pátria, Autoridade", de Rui Simões, e uma das cofundadoras da cooperativa VirVer. A autora abandonou o cinema nos anos de 1990.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório