Meteorologia

  • 29 OUTUBRO 2020
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Exposição 'Dissonâncias' exibe "a generosidade da sociedade civil"

A exposição 'Dissonâncias', que abre ao público na quarta-feira, sobretudo com doações de artistas e mecenas, vai exibir e agradecer "o envolvimento da sociedade civil" com o Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), no Chiado, em Lisboa.

Exposição 'Dissonâncias' exibe "a generosidade da sociedade civil"
Notícias ao Minuto

18:50 - 28/09/20 por Lusa

Cultura MNAC

São 85 obras de 45 artistas que dão a conhecer uma seleção das recentes aquisições e doações para o MNAC, sobretudo na última década, disse a diretora, Emília Ferreira, durante uma visita-guiada à Lusa, sublinhando que "a generosidade de artistas e colecionadores nunca parou, mesmo nas alturas de crise económica mais profunda".

"Num panorama pouco próspero como é o dos museus em Portugal, existir este nível de envolvimento na sociedade civil para com o museu é algo muito importante de destacar", afirmou, agradecendo a artistas, seus herdeiros, colecionadores e mecenas que, desde o nascimento do museu situado no centro histórico de Lisboa, fundado em 1911, têm vindo a entregar diversas obras.

O seu acervo integra mais de 5.000 peças de arte, num percurso cronológico desde 1850 até à atualidade, incluindo pintura, escultura, desenho, fotografia e vídeo.

A exposição 'Dissonâncias' vai exibir obras entradas na entidade na última década, consideradas "significativas da criação artística nacional dos séculos XIX, até ao início do XXI, agora na coleção do museu, e suprindo algumas antigas lacunas", segundo Emília Ferreira.

Logo à entrada do MNAC, surgem obras de grandes dimensões de Cristina Ataíde, a peça em desenho 'Lar doce lar', de Pedro Portugal, uma maquete toda em fósforos que reproduz o Pavilhão de Portugal na Expo98, com a sua ampla pala desenhada por Álvaro Siza Vieira, e um trabalho de Rodrigo Oliveira, resultado de uma performance em que a obra foi parcialmente queimada.

Do desenho à pintura, passando pela gravura, fotografia, instalação, escultura, objetos e vídeo, a exposição apresenta ainda obras de Ana Pérez-Quiroga, Ana Vidigal, André Cepêda, António Olaio, Arnaldo Fonseca, Artur do Cruzeiro Seixas, Augusto Alves da Silva, Carlos Noronha Feio, Columbano Bordalo Pinheiro, Ernesto de Sousa, Gérard Castello-Lopes, Hein Semke, Henrique Vieira Ribeiro, Hugo Canoilas, Inês Norton e João Cristino da Silva.

A mostra, que ficará patente, com todas as obras, até 15 de novembro, "não tem um fio condutor claro, porque é atravessada por uma grande diversidade de trabalhos", de acordo com a diretora do museu.

Em declarações à Lusa no MNAC, Emília Tavares, uma das curadoras da exposição em conjunto com Adelaide Ginga, destacou, entre as muitas doações representadas, o conjunto de esculturas de Hein Semke (nascido em Hamburgo, em 1899 e falecido em Lisboa, em 1995), doadas pela família, parte de uma "generosa entrega que também inclui gravuras", ou as fotografias de Manuel Botelho, igualmente incluídas na exposição.

"Muitas das doações foram feitas pelos próprios artistas na sequência de exposições realizadas no museu, e que não houve possibilidade de comprar, mesmo após as propostas apresentadas pelos curadores", apontou Emília Tavares.

Têm sido vários os diretores do MNAC ao longo dos anos a lamentar a falta de recursos financeiros dedicados à aquisição de novas obras para acompanhar a evolução da história da arte em Portugal, "cuja representação deve assentar neste museu para usufruto do público, dos estudantes de artes e de investigadores".

Nesta exposição - que abre ao público na quarta-feira, entre as 15:00 e as 20:00 - estão 11 obras adquiridas e 74 doações.

"Este museu tem essa responsabilidade, de ampliar a representatividade da arte contemporânea portuguesa até à atualidade", defendeu a diretora nas declarações à Lusa.

No acervo não existe, por exemplo, nenhuma obra de Paulo Nozolino ou de Cabrita Reis, e apenas uma obra de Maria Helena Vieira da Silva e outra de Paula Rego, enumerou.

A exposição ficou marcada pela polémica, este verão, porque sofreu sucessivos adiamentos forçados pela pandemia da covid-19, e por problemas técnicos na montagem, que só no final de agosto a tutela daria luz verde para resolver.

"A uma semana da abertura conseguimos, finalmente, ter uma luz nova", comentou Emília Ferreira sobre os projetores, que tinham mais de 20 anos e estavam degradados ao ponto de não funcionarem.

Foram substituídos, trazendo às salas uma luminosidade adequada para as obras serem apreciadas pelo público.

Devido aos problemas técnicos, disse, a obra de grandes dimensões "O Grupo do Leão"(1885), de Columbano Bordalo Pinheiro, um tesouro nacional, e uma das mais emblemáticas do museu, "esteve mais de seis meses às escuras, sem luz".

Ainda sobre as doações, a diretora disse que continuam em curso, algumas "muito importantes", nomeadamente de obras de David Almeida e Alberto Lacerda.

Nem todas as obras expostas em 'Dissonâncias' são inéditas, mas a mostra tem a particularidade de "revelar uma grande variedade de vozes e de potenciar novas leituras entre os artistas", observou a responsável do MNAC.

Indicou ainda que as peças mais frágeis terão de ser retiradas e a mostra será adaptada, continuando patente até ao final do ano.

Neste conjunto em que "atualização e rejuvenescimento" são palavras chave, entram ainda trabalhos de artistas como João Francisco Camacho, João Moniz Pereira, João Pedro Vale, Jorge Molder, Jorge Pinheiro, José Luís Neto, José Maçãs de Carvalho, José Pedro Cortes, Júlia Ventura, Maria Barreira, Maria Gabriel, Mário Cesariny, Mónica de Miranda, Nuno Calvet, Nuno San Payo, René Bértholo, Rolando Sá Nogueira, Sara e André, e Víctor Pires Vieira, entre outros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório