Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2020
Tempo
17º
MIN 10º MÁX 19º

Edição

Teatro S. João apresenta os livros inaugurais da coleção Empilhadora

Os dois primeiros títulos do projeto editorial Empilhadora, do Teatro Nacional São João (TNSJ), dizem respeito a William Shakespeare e Anton Tchékhov, dois nomes-chave da dramaturgia mundial, e são apresentados hoje, no Porto.

Teatro S. João apresenta os livros inaugurais da coleção Empilhadora
Notícias ao Minuto

09:59 - 19/09/20 por Lusa

Cultura Porto

'O Repúdio do Conhecimento em Sete Peças de Shakespeare', do filósofo Stanley Cavell, e 'Olhai a Neve a Cair - Impressões de Tchékhov', do escritor e editor Roger Grenier, são os títulos inaugurais da coleção, criada no âmbito das comemorações do centenário do TNSJ, e são apresentados hoje, pelo catedrático António M. Feijó e o escritor Pedro Mexia, numa sessão a decorrer no teatro nacional do Porto, a partir das 16:00.

'Olhai a Neve a Cair - Impressões de Tchékhov', com tradução de Manuel de Freitas, "é um ensaio biográfico que conta a vida de uma das figuras centrais do teatro moderno e contemporâneo, seguindo o fio do seu percurso como dramaturgo, novelista e epistológrafo", segundo a apresentação da obra.

O ângulo escolhido por Roger Grenier (1919-2017) "é o de alguém que viveu empaticamente" com o autor de 'O Ginjal' e 'A Gaivota', ao longo de todo o processo de escrita.

No prefácio, Pedro Mexia elogia o livro pelo "modo como dialoga com os contos e as peças, com os testemunhos de contemporâneos e também com o Tchékhov escritor de cartas".

'O Repúdio do Conhecimento em Sete Peças de Shakespeare', primeiro livro publicado em Portugal de "um dos maiores filósofos do século XX", Stanley Cavell (1926-2018), aborda as peças 'Rei Lear', 'António e Cleópatra', 'Otelo', 'Coriolano', 'Hamlet', 'O Conto de Inverno' e 'Macbeth'. A tradução é de Alda Rodrigues.

O escritor Daniel Jonas, autor do prefácio, afirma que se trata de uma "antologia de ensaios shakespearianos de um não shakespeariano tornado uma autoridade entre shakespearianos".

"Cavell adverte à partida para a existência de uma distância cautelar entre filosofia e literatura. O diálogo que enceta com Shakespeare é, assim, o de um filósofo com um arguente filosoficamente pouco interpelável", escreve Jonas.

"A hibridez disciplinar de Cavell está na defesa de que Shakespeare não poderia ser quem é se a sua obra não convocasse as preocupações filosóficas mais profundas da sua cultura", assumindo "que as suas peças parecem falar, fazem perguntas, testam a filosofia".

De acordo com a informação inicial sobre a coleção, uma parceria das Edições Húmus com o TNSJ, os próximos títulos são 'Palco Assombrado - O teatro como máquina de memória', de Marvin Carlson, numa tradução de Paulo Faria, e 'Falhar Melhor - A vida de Samuel Beckett', de James Knowlson, com tradução de Fernando Villas-Boas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório