Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Instável regressa à atividade artística após seis meses de suspensão

A Companhia Instável anunciou hoje que regressa este mês às atividades artísticas no Teatro do Campo Alegre, no Porto, com o novo projeto "Coriolis - Movimento para sustentabilidade", após seis meses de suspensão devido à pandemia.

Instável regressa à atividade artística após seis meses de suspensão
Notícias ao Minuto

16:55 - 17/09/20 por Lusa

Cultura Teatro

"Depois do período de suspensão entre março e agosto, setembro marca o regresso das atividades ao Lugar Instável, no Teatro do Campo Alegre. Temos sido convidados a refletir e a adequar as nossas práticas aos desafios dos tempos que correm. Na Companhia Instável, voltamos agora com parte das atividades regulares, num caminho que se faz aos poucos e com prudência, para se ajustar às solicitações que continuam a surgir", explica a Companhia Instável, no dossiê da programação setembro-dezembro 2020, enviado à agência Lusa.

Segundo a Companhia Instável ao longo dos próximos de 20 meses, o novo projeto 'Coriolis' tem o objetivo de promover um conjunto de atividades diversificadas destinadas a reforçar a capacidade da Companhia Instável e de um conjunto de outras organizações culturais sem fins lucrativos que operem no domínio das artes performativas.

"Pretende-se contribuir para gerar conhecimento sobre o setor e, dentro das organizações, incentivar colaborações, valorizar e encorajar melhores práticas, criar novos projetos e gerar consciência acerca do papel destas organizações na sociedade", explica a Companhia Instável.

O novo projeto da Companhia Instável foi realizado em parceria com a Rede Inducar e é financiado pelo mecanismo europeu EEA Grants, fundo gerido em Portugal pela Fundação Calouste Gulbenkian, em consórcio com a Fundação Bissaya Barreto.

Na programação da Companhia Instável está agendado para hoje, dia 17, no Teatro Aveirense (Aveiro) o espetáculo "Mama", com a direção e coreografia de Mafalda Deville.

"Nesta residência iniciei uma investigação sobre os conflitos emocionais e sociais da maternidade juvenil. Tive, como ponto de partida, o meu caso e fui ao encontro de jovens mulheres que se encontram a gerir a situação de estarem grávidas ou de terem sido mães recentemente", explicou a coreógrafa.

Na área das residências artísticas e do apoio aos profissionais da área da dança, a Companhia Instável refere ainda que vai fazer "aconselhamento artístico" no âmbito do 'Open GAB - from home', prevendo, por exemplo, aconselhamento na área da produção, técnica e comunicação num 'workshops' agendado para 17 de outubro em Faro, no Algarve.

A 06 de novembro, o espetáculo de dança "A Body That Hides Also Stands", com criação e interpretação de Marta Ramos, em parceria da Companhia Instável, apresenta-se no Teatro do Campo Alegre (Porto).

No final do mês de novembro, dia 27, pelas 21h30, sobem ao palco do Teatro Viriato, em Viseu, seis bailarinos (Ilan Gratini, Joana Couto, Lara Serpi, Liliana Oliveira, Liliana Garcia e Ricardo Machado) e seis percussionistas (Pedro Góis, João Miguel Simões, Jorge Pereira, Daniel Araújo, André Dias e Miquel Bernat), para darem vida ao espetáculo "Timber", que nasceu dum desafio da Companhia Instável e do Drumming GP ao coreógrafo Roberto Olivan, para criar uma "'performance' com música de Michael Gordon".

"'Timber' é uma tentativa final de reaver a nossa conexão com o mundo vivo, com as suas próprias dinâmicas ditadas pela luz e escuridão, dia e noite. Aceitar ou morrer. Integrar ou dividir", explica a Companhia Instável, no seu dossiê de imprensa.

A 18 de dezembro, às 21h00, o Teatro Campo Alegre recebe o espetáculo de dança '1984', com coreografia de Sara Bernardo, e onde o "ego" é posto à prova e os "instintos primários emergem sorrateiramente do couro duro e bem trabalhado que vestimos para os outros", lê-se no dossiê da programação da companhia.

Até dezembro, estão também programadas residências artísticas com Ana Isabel Castro e Deeogo Oliveira, Ana Renata Polónia, Carminda Soares e Maria R. Soares, Coletivo UmaUmas, Contanza Giivone, Joana Von Mayer Trindade, Ludovica Daddi, Marta Ramos, Marta Reis Jardim, Companhia Instável/Roberto Olivan, Rui Paixão, Sara Bernardo, Thamiris Carvalho, Xana Novais.

A Companhia Instável é apoiada pela Direção-Geral das Artes e pelo programa Bolsas para a formação Fundação GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas.

Em Portugal, morreram 1.878 pessoas dos 65.626 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório