Meteorologia

  • 15 AGOSTO 2022
Tempo
28º
MIN 19º MÁX 28º

Coleção Miró não é prioridade para Governo

O Estado prepara-se para leiloar 85 obras do catalão Joan Miró, que estão na sua mão desde a nacionalização do Banco Português de Negócios. O PS e o PCP vão apresentar, esta sexta-feira, uma petição assinada por mais de 3.500 pessoas contra a venda, conta o Público, acusando o Governo de colocar os interesses monetários à frente dos interesses culturais do país. O secretário de Estado da Cultura já fez saber que a aquisição da coleção não é uma prioridade.

Coleção Miró não é prioridade para Governo
Notícias ao Minuto

12:18 - 13/01/14 por Notícias ao Minuto

Cultura Leilão

A coleção, composta por 85 obras do surrealista Joan Miró, foi comprada em 2006 pelo BPN de José Oliveira Costa por 34 milhões de euros. Em 2008, quando o Governo nacionalizou o BPN, herdou a coleção que, desde então, tem estado guardada nos cofres da Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa.

O Estado decidiu agora vender os quadros, num leilão que acontecerá a 4 e 5 de fevereiro, em Londres, com o objetivo de abater mais uma parte da dívida deixada pelo BPN.

A decisão, anunciada em julho de 2012 pela então secretária do Estado e do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, não agrada a várias pessoas ligadas à área, que consideram que o Estado está a perder a oportunidade de poder utilizar estas obras, de elevado valor, em qualquer Museu de Portugal.

Estes criticam, ainda, a celeridade do processo e o facto de as obras nunca terem sido expostas na Culturgest, espaço de exposições da sede da CGD, “quando os contribuintes foram chamados a pagar a sua manutenção, a sua guarda e os seus custos de seguro”, recorda o galerista Carlos Cabral.

O PS e o PCP juntaram-se à causa e, reconhecendo o valor da coleção, vão pedir o cancelamento do leilão, para que se estude uma forma de rentabilizar a coleção em Portugal.

Contactado pelo Público, o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, explicou que a aquisição da coleção “não é considerada uma prioridade no atual contexto de organização das coleções do Estado”.

Já o responsável pela galeria de arte Christie’s, que levará a cabo o leilão, garante que esta é a forma mais transparente de se proceder à venda de obras deste género, uma vez que o valor de oferta reflete o preço real do mercado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório