Meteorologia

  • 02 DEZEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

Casa de Sarmento disponibiliza online livro sobre a pneumónica de 1918

A Casa de Sarmento, unidade da Universidade do Minho, disponibilizou 'online' um novo livro sobre a pneumónica de 1918, resultante de um encontro científico realizado em Guimarães no centenário desta pandemia.

Casa de Sarmento disponibiliza online livro sobre a pneumónica de 1918
Notícias ao Minuto

12:54 - 03/04/20 por Lusa

Cultura Livros

Coordenado pelo investigador do Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória (CITCEM), da Faculdade de Letras Universidade do Porto, Antero Ferreira, o livro 'A Gripe Espanhola de 1918' inclui múltiplos textos em torno do eixo da pneumónica, desde o seu impacto nas ilhas açorianas do Faial e das Flores ou na região do Alto Minho, até à morte do artista Amadeo de Souza-Cardoso, vítima da doença.

Na apresentação desta primeira edição da Casa de Sarmento, Antero Ferreira recorda, na nota de abertura: "A pandemia da 'gripe espanhola', ou 'pneumónica', irrompe no ano em que termina a Primeira Guerra Mundial, em 1918, num contexto de graves dificuldades económicas e sociais. O impacto que teve sobre a mortalidade - calcula-se que entre 1918 e 1919 terá provocado a morte a cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo - ainda hoje constitui uma marca indelével no imaginário coletivo".

"Claras ficam as condições de vida da população em 1918, com Portugal, numa primeira fase ainda a braços com a Primeira Guerra e com a carestia por ela provocada, com um surto de tifo exantemático e ainda outro de varíola. Para além disso, a pobreza das populações, não só nas vilas e aldeias, mas também nas nossas maiores cidades - Lisboa e Porto - era uma realidade. Todos estes fatores foram potenciadores da grande crise de mortalidade provocada pela Pneumónica", escreve, na apresentação, Maria Luís Rocha Pinto, da Universidade de Aveiro.

A socióloga lembra ainda que, apesar de a gripe provavelmente ter entrado "em Portugal vinda de Espanha, a sua designação deve-se, em todo o mundo, ao simples facto de a Espanha não ter entrado na Primeira Guerra e, por isso, não estar a braços com os problemas dela resultantes e com algum sigilo que foi mantido em relação à difusão da gripe pelos países envolvidos na guerra, o que fez com que fosse Espanha o primeiro país a relatar nos jornais a existência da epidemia".

Num dos artigos, sobre a "pneumónica em Guimarães", os autores Antero Ferreira e Célia Oliveira recordam as indicações do então diretor-geral da Saúde, Ricardo Jorge: "Para os casos graves, sobretudo quando peca o domicílio e faltam os recursos, está indicada a hospitalização que satisfaz à dupla indicação do tratamento e do isolamento. É a arma mais eficaz de que dispomos para a atenuação do flagelo. Onde haja hospital, é aproveitá-lo para os epidemiados; onde o não haja ou não chegue, institua-se onde possa ser, requisitando a autoridade administrativa o prédio apropriado nos termos legais, assim como camas e roupas".

Em Lisboa, segundo o artigo de Eunice Relvas e Delminda Rijo, o outono de 1918 foi "uma verdadeira sentença apocalíptica, quando à fome e à guerra se associou o pânico da epidemia e da morte", tendo a vida na cidade sido modificada e as ruas ficado "desertas, apesar de os teatros, os animatógrafos e os recentes 'night-clubs' continuarem abertos durante a pandemia".

As autoras do artigo salientam que "a trajetória industrial e a pobreza foram denominadores comuns, embora não exclusivos, na trajetória da pandemia", citando, para esse efeito, o diretor dos Hospitais Civis de Lisboa, Lobo Alves: "Pelos meus próprios olhos eu tenho verificado que não poucos dos hospitalizados, desde que a epidemia se declarou, sofrem mais das dolorosas consequências da miséria que propriamente da doença dominante".

"Na análise da informação estatística da mortalidade avultam as freguesias com população mais carenciada, com piores condições de habitação e, embora não se esgotando nessa atividade laboral, com grande empregabilidade na indústria", recordam as duas investigadoras do Gabinete de Estudos Olisiponenses, da Câmara Municipal.

Também em concelho como Loures, Mafra e Vila Franca de Xira, as "assimetrias relacionadas com o isolamento das populações, as acessibilidades precárias e a insuficiência de médicos e de terapêuticas ditaram as taxas de mortalidade".

À semelhança das descrições encontradas noutras zonas do país, é lembrando que "terá sido aterradora a omnipresença da morte quando muitos cadáveres foram conduzidos, amontoados em carroças e tapados com trapos ou serapilheira, para as valas comuns dos cemitérios".

Uma das maiores pandemias do século XX, cujos paralelos à situação atual justificam a disponibilização 'online' do livro pela Casa de Sarmento, a chamada gripe espanhola causou dezenas de milhões de mortes pelo mundo, com algumas estimativas a apontarem para 50 milhões de vítimas mortais.

Segundo informações do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, a pneumónica atingiu Portugal em maio de 1918 e, em cerca de dois anos, gerou uma crise demográfica grave, com algumas zonas do país a perderem cerca de 10% da população.

Em Portugal, o número oficial de mortos devido à gripe espanhola é superior a 60 mil. Em três ondas, a pneumónica matou principalmente jovens e atingiu pessoas de todas as classes sociais.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório