Meteorologia

  • 26 FEVEREIRO 2020
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Museu de Lisboa lembra José Cardoso Pires com imagens de Manuel Mozos

O Museu de Lisboa homenageia José Cardoso Pires exibindo, no dia 29, um filme de Manuel Mozos sobre o escritor, seguido de um debate que abarca também uma exposição de fotografia sobre o autor de 'Lisboa, Livro de Bordo'.

Museu de Lisboa lembra José Cardoso Pires com imagens de Manuel Mozos
Notícias ao Minuto

19:31 - 14/02/20 por Lusa

Cultura Lisboa

A exibição de 'José Cardoso Pires - Diário de Bordo', filme do realizador Manuel Mozos, acontece no âmbito do encerramento de uma exposição de fotografias de Nuno Correia, dedicada ao escritor, patente no Palácio Pimenta, informou o Museu de Lisboa.

Antes disso, no dia 15, decorre um debate em torno da mostra fotográfica, com a participação de Ana Cardoso Pires, filha do escritor, dos professores Fernanda Abreu e Marco Neves, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, do livreiro e editor João Pimentel, da Fábula Urbis, e de Nuno Correia, autor das fotografias.

Esta mostra, com curadoria de Carlos Carvalho, inclui fotografias de Lisboa inspiradas na obra 'Lisboa, Livro de Bordo'.

"O trabalho que Nuno Correia expõe a pretexto do livro 'Lisboa -- Livro de Bordo', de José Cardoso Pires, revela-nos um invulgar sentido cinematográfico, não repentista nem descritivo, antes pelo contrário, intimista e reflexivo que sem rejeitar o texto que o pretextou, demonstra a louvável atitude de, perante o livro de Cardoso Pires, optar pelo desenvolvimento pessoal do guião em oposição declarada à opção mais fácil e simplista que seria a ilustração", explica o curador.

A exposição está patente até dia 1 de março, estando a sessão de encerramento marcada para o dia anterior, com a exibição do filme de Manuel Mozos e um posterior debate, com a presença do realizador, do fotógrafo e do curador da mostra.

'José Cardoso Pires - Diário de Bordo' foi filmado no ano em que o escritor recebeu o Prémio Pessoa (1997), retratando aquele que é considerado um dos grandes autores de língua portuguesa, com um percurso marcado por obras como 'O Delfim', 'O Hóspede de Job', 'Anjo Ancorado', 'Jogos de Azar', 'Balada da Praia dos Cães', 'Alexandra Alpha', 'A Cavalo no Diabo' e 'De Profundis, Valsa Lenta'.

A vida e a escrita, o cinema, o erotismo e a morte são alguns dos temas deste filme, rodado em Lisboa e na Caparica (o refúgio do escritor), no Outono e Inverno de 1997.

José Cardoso Pires nasceu em outubro de 1925, na freguesia de São João do Peso, em Vila de Rei, na Beira Baixa, mas mudou-se para Lisboa ainda pequeno, cidade onde morou e onde morreu, em outubro de 1998.

Escreveu os primeiros contos aos vinte anos, trabalhou em vários empregos, que não conseguia manter, inscreveu-se na Marinha Mercante, que abandonou, depois de acusado de indisciplina, e cursou matemática que não acabou.

Autor de dezoito livros, publicados entre 1949 e 1997, José Cardoso Pires não se identificou com nenhum grupo nem corrente, nem se fixou em nenhum género literário, tendo sido sobretudo romancista.

O movimento neorrealista foi aquele em que permaneceu durante mais tempo, até ao 25 de Abril, o que justificava com a oposição ao regime autoritário.

José Cardoso Pires frequentou também os grupos surrealistas, no início da década de 1940, e foi influenciado pela estética de Hemingway e pela narrativa cinematográfica.

Vencedor de vários prémios literários, o escritor viu muitas das suas obras serem adaptadas ao teatro e ao cinema, nomeadamente por Luís Galvão Teles ('A Rapariga dos Fósforos'), Lauro António ('Casino Oceano'), Eduardo Geada ('Ritual dos Pequenos Vampiros'), José Fonseca e Costa ('Balada da Praia dos Cães') e Fernando Lopes ('O Delfim').

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório