Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Edna O'Brien e Zeruya Shalev premiadas no Reino Unido e na Suíça

As escritoras Edna O'Brien, da Irlanda, e Zeruya Shalev, de Israel, foram hoje distinguidas, respetivamente, com os prémios de literatura David Cohen, do Reino Unido, e Jan Michalski, da Suíça, divulgaram as instituições e o grupo 2020 Editora.

Edna O'Brien e Zeruya Shalev premiadas no Reino Unido e na Suíça
Notícias ao Minuto

20:53 - 04/12/19 por Lusa

Cultura Literatura

O romance 'Dor', publicado este ano em Portugal pela chancela Elsinore, daquele grupo editorial, valeu à israelita Zeruya Shalev o Prémio Jan Michalski, atribuído pela fundação suíça para a Escita e a Literatura, dedicada à memória do fundador das Éditions Noir sur Blanc, Jan Michalski.

O Prémio David Cohen, por seu lado, anunciado ao final do dia de terça-feira, distingue os 60 anos de carreira literária da escritora irlandesa Edna O'Brien, iniciada com 'Raparigas da Província', em 1960, romance de estreia editado em Portugal pela Relógio d'Água. 'Na Floresta' e 'Pequenas Cadeiras Vermelhas' são outras obras da escritora com tradução portuguesa, publicadas pela editora Cavalo de Ferro, do grupo 2020.

Atribuído pela Fundação John S. Cohen, de apoio à educação, às artes e ao ambiente, o Prémio David Cohen distingue obras e percursos literários de autores de língua inglesa, originários do Reino Unido e da Irlanda.

Zeruya Shalev é, "a par de Amos Oz e David Grossman, uma das escritoras israelitas mais lidas no mundo", autora de cinco romances, como 'Husband And Wife', 'Remais of Love' e 'Love Life' (nas edições inglesas), traduzidos em 27 línguas, segundo a editora portuguesa.

O Prémio Jan Michalski de Literatura vem juntar-se a outros galardões com os quais Shalev já foi distinguida, nomeadamente o Prémio Fémina Étranger, em França, Books of the Year in Translation, do jornal inglês The Independent, e o Prémio Jerusalém. Em 2017, foi condecorada pelo Governo francês com a distinção de Chevalier des Arts et des Letres.

O romance de Shalev traduzido em português, 'Dor', tem como protagonista Iris, de 45 anos, casada e com dois filhos, que superou um atentado terrorista, de que foi vítima, e a perda do seu primeiro amor, Eitan, cuja perda quase a levou ao suicídio, e que conhece uma dor física, súbita, quando reencontra a paixão perdida.

Edna O'Brien, autora irlandesa que "moveu montanhas política e liricamente, através da sua escrita", como afirma a editora portuguesa, tem, no seu romance 'Na Floresta', "um retrato de desolação e raiva, brilhantemente contado, verdadeiramente chocante", como escreveu o dramaturgo britânico Harold Pinter, Nobel da Literatura, citado pela editora original, quando da edição da obra, em 2002, pela Weidenfeld.

O romance parte de acontecimentos reais, relacionados com um triplo homicídio ocorrido na década de 1990, e "obriga a Irlanda a enfrentar o seu lado mais negro", segundo a crítica do jornal The Guardian.

Quanto a 'Pequenas Cadeiras Vermelhas', que marcou o regresso de O'Brien à escrita em 2015 e ao seu universo de 'suspense', foi considerado pelo autor norte-americano Philip Roth "a obra-prima da grande Edna O'Brien", segundo a editora inglesa Faber.

Nascida em 1930, Edna O'Brian conquistou o Prémio Kigsley Amis com o seu primeiro livro, "The Country Girls"/"Raparigas da Província", publicado em 1960, descrito pela crítica como um dos romances-chave da literatura irlandesa contemporânea, editado em Portugal pela Relógio d'Água.

'A Pagan Place', 'Zee & Co.', 'Night', 'The High Road', 'Time and Tide' e 'Wild Decembers' são alguns dos outros títulos da autora que já recebeu o Prémio Europeu de Literatura, o Prémio Los Angeles Times, o Prémio PEN e a Medalha Ulisses, da Universidade de Dublin, além do prémio nacional de literatura da Irlanda e o Prémio Nabokov, entre outras distinções.

Autora de 'Watching Obama', celebração do ex-Presidente norte-americano, "homem notável" sobre o qual se sentiu "compelida a escrever", como afirmou, Edna O'Brian faz em 'Girl', o seu mais recente romance, uma abordagem ao trauma vivido pelas raparigas raptadas na Nigéria, pelo grupo jihadista Boko Haram, em 2014.

Um "romance notável, excecional", escreveu o jornal The Guardian, no passado mês de setembro, quando da publicação de 'Girl', pela Faber & Faber.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório