Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Exposição 'Desenterrando memórias' no Porto aborda legados coloniais

A exposição 'Desenterrando memórias', do grupo de artistas InterStruct Collective, baseada na análise e interpretação de objetos e legados coloniais portugueses é inaugurada esta sexta-feira no Rampa, um novo espaço cultural independente no Porto.

Exposição 'Desenterrando memórias' no Porto aborda legados coloniais
Notícias ao Minuto

17:00 - 04/12/19 por Lusa

Cultura Exposição

Monumentos públicos, nomes de ruas, selos postais, lembranças, medalhões, murais, coleções de museus e arquivos nacionais são alguns dos objetos e legados do passado colonial que serviram de base ao coletivo de artistas InterStruct Collective para construir a exposição.

O InterStruct Collective, composto por sete artistas e profissionais da cultura, serviu-se de um método curatorial "cooperativo para analisar legados coloniais que afetam as condições contemporâneas na cidade do Porto" e usou esses objetos "como catalisadores para acrescentar camadas de complexidade às narrativas e desvelar histórias, buscando restaurar o poder de indivíduos colonizados no passado e marginalizados no presente", lê-se no comunicado do Rampa.

Segundo o Rampa, cuja missão é ter produção independente e promover a visibilidade dos artistas do Porto, "esta exposição analisa criticamente os legados coloniais e enquadra o imaginário atual, composto por memórias, ruínas e lembranças no contexto do Porto".

"A práxis artística é utilizada como uma plataforma reflexiva para nutrir realidades futuras. Esta exposição analisa criticamente os legados coloniais e enquadra o imaginário atual, composto por memórias, ruínas e lembranças no contexto do Porto", lê-se no mesmo texto.

A primeira exposição colonial portuguesa ocorreu há 85 anos nos Jardins do Palácio de Cristal do Porto, mas "as forças económicas, culturais e políticas atuais ainda sustentam, cimentam e replicam algumas ideologias que foram fundamentais ao regime autoritário associado à exposição colonial", acrescenta o comunicado.

A exposição "Desenterrando memórias" é acompanhada por uma "caminhada crítica pelos Jardins do Palácio de Cristal" e contou com a parceria do coletivo MAAD - Mulheres, Arte, Arquitetura & Design, no âmbito do programa Satellites, da Porto Design Biennale.

O Rampa é um espaço "com 240 metros quadrados de área" no Pátio do Bolhão, junto à Rua do Bolhão, nasceu este ano a partir da associação cultural Rampa 125 e conta com cerca de 10 elementos fundadores, entre os quais arquitetos, 'designers', curadores e artistas do Porto, descreveu à Lusa Alexandra Balona, na altura da inauguração.

O coletivo InterStruct assume, por seu turno, que tem o objetivo de "fomentar um diálogo em torno do interculturalismo, proporcionando uma plataforma discursiva onde pessoas de diferentes origens culturais podem colaborar, propor intervenções e encenar projetos artísticos de importância social".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório