Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

"Portugal vive zona de catástrofe" em matéria de exibição cinematográfica

A exibição cinematográfica independente em Portugal precisa de mais salas, mais apoio financeiro e maior envolvimento da comunidade para "reconstruir o hábito de ir ao cinema", afirmaram hoje vários agentes do setor em Lisboa.

"Portugal vive zona de catástrofe" em matéria de exibição cinematográfica
Notícias ao Minuto

13:40 - 22/11/19 por Lusa

Cultura Cinema

No âmbito da conferência da organização Europa Cinemas, que este ano decorre em Lisboa, produtores, exibidores, distribuidores, programadores reuniram-se num debate sobre a circulação de obras cinematográficas em Portugal.

"Portugal vive uma zona de catástrofe" em matéria de exibição cinematográfica, em particular fora do circuito comercial, envolvendo cineclubes e auditórios municipais, e a questão "deve ser encarada como uma ação de emergência", afirmou o exibidor e produtor Pedro Borges.

No encontro, foi apresentado um estudo, não exaustivo, encomendado para a conferência da Europa Cinemas, com base em dados do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) e de um inquérito a associações cinematográfica, cineclubes e auditórios e que revelou que "a exibição de cinema é pouco significativa fora dos 'multiplexes'".

Segundo o estudo, os auditórios exibem sobretudo cinema comercial norte-americano e os cineclubes programam cinema independente "numa base irregular e concentrada em distritos específicos", sobretudo no norte e litoral.

São identificados problemas, como a incapacidade financeira para renovar equipamentos de projeção, o trabalho suportado por voluntariado, a falta de apoio financeiro, e apresentadas propostas, nomeadamente a criação de uma rede semiprofissional de cineclubes.

Na sessão, o diretor do Cine Clube de Viseu, Rodrigo Francisco, falou de um trabalho a médio e longo prazo que os cineclubes têm de fazer na procura de públicos, enquanto Carlos Semedo, programador do cineteatro Avenida, em Castelo Branco, sublinhou a relação de proximidade que devem ter com os espectadores, independentemente de encherem ou não uma sala de cinema.

"Há uma questão absolutamente decisiva, é preciso construir de raiz o hábito das pessoas irem ao cinema e terem uma satisfação social. Está por construir", afirmou o diretor da Cinemateca Portuguesa, José Manuel Costa.

No encontro, foram ainda apontadas fragilidades do Plano Nacional de Cinema (PNC), que não está a ser usado, como lamentou o programador Dario Oliveira, do Porto/Post/Doc.

"Há um desperdício de recursos humanos, há uma resistência de pais, professores e do ministro da Educação. [...] É constrangedor o que se passa no país e formar um novo público demora uma década", disse.

O presidente do ICA, Luís Chaby Vaz, recordou que o instituto "tem limitadíssimos fundos" para apoiar uma rede independente de exibição e que é preciso identificar os custos para a renovação e construção de novas salas.

Para Pedro Borges, os problemas identificados no encontro deviam ser reconhecidos também oficialmente.

"A iniciativa tem de partir de um consenso no meio cinematográfico e que isso reflita na política pública e nos programas de apoio do ICA", resumiu.

A conferência da organização Europa Cinemas, que este ano acontece em Lisboa com a presença de cerca de 500 participantes europeus, decorrerá até domingo.

Da organização, fundada em 1992 e que tem o apoio da Comissão Europeia, fazem parte oito salas de cinema portuguesas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório