Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Para Freitas do Amaral, Cristo foi precursor da separação Estado-Igreja

Jesus Cristo foi o precursor do princípio da separação entre a Igreja e o Estado, apesar de não ter sido um político, defende Freitas do Amaral, ex-líder do CDS falecido em outubro, num livro com lançamento na sexta-feira.

Para Freitas do Amaral, Cristo foi precursor da separação Estado-Igreja
Notícias ao Minuto

11:30 - 20/11/19 por Lusa

Cultura Livro

Partindo da velha máxima "A Deus o que é de Deus, a César o que é de César", Diogo Freitas do Amaral utiliza "um opúsculo", com a chancela da Bertrand Editora e do Círculo de Leitores, para fazer um ensaio de 89 páginas sobre 'As Ideias Políticas e Sociais de Jesus Cristo'.

E uma das conclusões é a de que foi Cristo o verdadeiro precursor do princípio da "separação entre a Igreja e o Estado", quando insistiu que "a religião tinha a ver com Deus, a autoridade cívica pertencia ao Imperador" - "A Deus o que é de Deus, a César o que é de César".

Para o ex-candidato a Presidente da República, falecido em 03 de outubro, ficou assim definida, "com total clareza", a regra da separação entre religião e política, "de onde resultou mais tarde, como seu corolário, o princípio da separação entre a Igreja e o Estado ou, havendo mais que uma confissão religiosa no mesmo país, entre as igrejas e o Estado".

"Todos sabemos que a prática, nos países cristãos, não foi sempre esta, mas é importante sublinhar que o princípio, a noção-chave, a ideia-mestra, foi da autoria de Jesus Cristo, há cerca de dois mil anos", argumenta o antigo presidente dos democratas-cristãos no livro, sustentando que antes a ideia "não ocorrera a ninguém", até porque "os primeiros imperadores romanos consideravam-se deuses, eles próprios".

Partindo dos quatro evangelhos que formam o Novo Testamento (Mateus, Marcos, Lucas e João), Freitas analisa o contexto histórico da vida de Jesus e transporta algumas das suas ideias para a atualidade.

Assumindo-se como "católico, apostólico, romano" e admitindo "não ter credenciais para escrever sobre problemas teológicos, exegéticos ou hermenêuticos", o falecido professor universitário faz uma análise política e social do pensamento de Cristo, assumindo que poderá ter "uma dupla utilidade"

Para os cristãos, "chamar de novo a atenção para o facto de que, como Jesus avisou, nem todo o que diz 'Senhor, Senhor' entrará no reino do céu". Para os não cristãos, seguidores de outras religiões e não crentes, "sublinhar que Jesus Cristo não tinha intenção de pregar aos convertidos, mas sim aos que se sentiam perdidos ou incompletos na sua vida".

Outro "aspeto fundamental" focado por Freitas é o de "uma nova conceção de autoridade, do Poder e do Estado".

"O Sábado foi feito para servir o Homem, e não o Homem para servir o Sábado", escreveu S. Marcos no Evangelho, o que o ex-líder do CDS se encarrega de traduzir à luz dos dias de hoje. "O Estado foi feito para o Homem, e não o Homem para o Estado", ou melhor, os poderes da autoridade do Estado são apenas "um meio para alcançar um fim, o bem comum é que é o fim a atingir".

O episódio bíblico de 'O Bom Samaritano' é utilizado para definir aquilo que hoje se designa por defesa dos Direitos Humanos e a harmonia entre os povos. "Porque a noção da dignidade essencial de cada ser humano, anterior e superior ao Estado, provém do ensinamento cristão de que todos os homens são filhos de Deus, e que este a todos, sem exceção devota um amor infinito", sublinha.

Freitas do Amaral não esquece também os apelos de Jesus Cristo à paz, entre os homens, entre as famílias, entre as nações.

"Não há nos Evangelhos uma condenação formal da guerra entre nações. O que, aliás, permitiu a vários doutores da Igreja, a partir dos séculos XVI e XVII, elaborar a doutrina da 'guerra justa' e da 'guerra injusta' , hoje consagrada - em larga medida - no artigo 51.º da Carta das Nações Unidas", invoca, numa alusão ao direito da legítima defesa quando um dos países for atacado.

Mas Jesus foi também pioneiro na "aceitação da distinção entre governantes e governados, ou seja, a rejeição do anarquismo" - quando defendeu que "Todo o poder vem de Deus" - bem como da ideia de "obediência às leis e decisões legítimas dos governantes" ou a "condenação da fuga aos impostos" - "a César o que é de César", ou seja, "o pagamento dos tributos tinha o rosto de César, os impostos eram devidos ao titular do Império Romano".

Em suma, Cristo "não foi um líder político, nem exerceu qualquer cargo, função ou atividade política", e até afirmou, para dissipar todas as dúvidas: "o meu reino não é deste mundo". Mas "se não tinha ambições políticas, não ocupou cargos políticos, nem criou nenhum movimento político, o certo é que tinha, como é natural, ideias políticas".

"Podemos concluir, portanto, que Jesus Cristo - reafirmando sempre que 'o seu reino não era deste mundo', pelo que ele não pretendia ser, nem foi, um líder político ou um governante - traçou os princípios fundamentais de uma conceção política humanista e civilizada: a paz entre as nações, a não-violência como método de convivência humana, a concórdia no seio das famílias, a separação entre a Igreja e o Estado, o dever de pagar impostos, a obrigação de obediência às leis e às decisões legítimas dos órgãos governativos, a função governamental como um serviço prestado a todos, e não como um privilégio pessoal a desfrutar em proveito próprio, e a raiz dos Direitos Humanos, assentes no direito à vida ("não matarás"), á liberdade religiosa (Sermão da Montanha), à proteção da sociedade aos mais pobres (idem) e no dever de amar e respeitar o próximo como a si mesmo", assinala.

Em conclusão, Freitas do Amaral considera que a Doutrina Social da Igreja, iniciada oficialmente pela Papa leão XIII, em 1891, e hoje "vivificada de modo impar" pelo papa Francisco "é, de facto, rigorosamente fiel a todos os ensinamentos sociais de Jesus Cristo".

Por isso, conclui que "é uma pena - é mesmo motivo de escândalo - que um número considerável de católicos convictos (professores, empresários, gestores, políticos, jornalistas) não se sintam obrigados em consciência a seguir essa doutrina, e a ignorem ou menosprezem na sua vida profissional, sem fazerem o que têm o dever de fazer ou agindo contra as proibições que devem acatar".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório