Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

Camané recorda José Mário Branco, "grande compositor e músico fantástico"

O fadista Camané disse hoje à agência Lusa ter ficado "em estado de choque" com a notícia da morte do compositor José Mário Branco, produtor da maioria dos seus discos e "um grande compositor e músico fantástico".

Camané recorda José Mário Branco, "grande compositor e músico fantástico"
Notícias ao Minuto

15:32 - 19/11/19 por Lusa

Cultura José Mário Branco

Para o fadista, José Mário Branco "era muito mais do que um cantor de intervenção". "O Zé Mário ultrapassou essas barreiras todas porque era, de facto, um grande compositor e músico fantástico", sustentou.

Cada pessoa "que ouve o José Mário, que ouve a sua discografia, é uma descoberta, é uma coisa para a vida", sublinhou.

"Recebi a notícia hoje de manhã, uma chamada da rádio, e foi uma sensação de choque, porque não estava à espera, ninguém estava à espera. Fiquei em estado de choque", sublinhou Camané à agência Lusa, a propósito da morte de "um grande amigo", na noite passada.

José Mário Branco é "um dos melhores compositores e melhores artistas e intérpretes da música portuguesa", enfatizou Camané, sublinhando a "importância extrema" que teve no seu trabalho e na sua carreira.

"Tem uma obra musical incrível, de um bom gosto fantástico", sublinhou, acrescentando o facto de José Mário Branco ter sido produtor de "grandes artistas que têm uma influência incrível na música portuguesa". "Como Zeca Afonso e outros", frisou.

Para o fadista - cujos discos foram todos produzidos por José Mário Branco desde "Uma Noite de Fados" (1995), em que o autor de "FMI" assinou também os arranjos musicais -, não fazia prever a morte do músico, que também foi ator de cinema e teatro, já que este não se encontrava doente.

"Tinha estado com ele há uns tempos e não tinha informação de que estivesse doente", observou o fadista, acrescentando "que nada [fazia] prever este desfecho".

Camané sublinhou ainda os "valores de autenticidade e de verdade" da música de José Mário Branco, admitindo terem-no influenciado "imenso" e terem-lhe dado "uma visão" daquilo que é o seu trabalho.

"Ensinou-me muitas coisas, essas, principalmente, de que o fado vive duma grande autenticidade que é preciso manter, e que a inovação vem de dentro para fora, como ele dizia sempre", ressalvou Camané, visivelmente emocionado.

"Infelizmente, partiu cedo, porque não estava doente e foi uma coisa muito repentina, mas fica a sua obra", sustentou Camané, sublinhando ainda "a influência enorme" que o compositor teve em "toda a gente nova que está a aparecer" na música.

Nascido no Porto, em 1942, José Mário Branco morreu aos 77 anos.

'Camané canta Marceneiro' (2017), que valeu a Camané o prémio de Melhor Disco de Fado da Fundação Manuel Simões, foi o último disco de Camané com produção musical de José Mário Branco.

'Na linha da vida' (1998), 'Esta coisa da alma' (2000), 'Do Amor e dos Dias' (2010) e 'Infinito Presente' (2015) contam-se entre os discos de Camané com produção, arranjos e composições de José Mário Branco.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório