Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

'Nova(pop)' de Miguel Ângelo, com D'Alva, Surma, Chinaskee e Sambado

O cantor Miguel Ângelo edita hoje 'Nova(pop)', álbum criado em colaboração com quatro "nomes da nova pop portuguesa" (Chinaskee, D'Alva, Filipe Sambado e Surma), e que serve para assinalar os 35 anos de carreira do vocalista dos Delfins.

'Nova(pop)' de Miguel Ângelo, com D'Alva, Surma, Chinaskee e Sambado
Notícias ao Minuto

08:47 - 15/11/19 por Lusa

Cultura Música

Miguel Ângelo fala de "Nova (pop)" como um álbum colaborativo, porque os temas que contam com a participação de Chinaskee, dos D'Alva, de Filipe Sambado e de Surma "não são duetos", estes "nomes da nova pop portuguesa" não foram convidados apenas para cantarem ou tocarem com o cantor.

"São colaborações. Dei-lhes praticamente carta branca para que, com aquela canção que eu gravei no meu 'home studio' [estúdio caseiro], eles fizessem o que quisessem, levassem aquilo na direção que lhes apetecesse e que tivesse que ver com o universo musical muito próprio de cada um deles", contou em declarações à Lusa.

O som de "Nova (pop)", que tem "um formato entre o EP e o álbum", já que é composto por seis faixas, vai "desde a super pop dos D'Alva até aos ambientes mais obscuros da Surma, passando pelo novo folk do Filipe Sambado e a eletricidade psicadélica do Chinaskee".

"Acho que está lá um bocadinho [de tudo] e são pitadas de géneros de que eu gosto muito", referiu Miguel Ângelo.

A assinalar 35 anos de carreira, o músico achou que seria "uma boa oportunidade" ir ter com "nomes da nova pop portuguesa e sem preconceitos entregar-lhes o trabalho e eles, também sem preconceitos, fazerem o seu trabalho e levarem estas canções mais longe".

Apesar de "Nova (pop)" só ter começado a ser feito este ano, o "início disto tudo" tem de ser situado "há uns anos", quando Miguel Ângelo começou, por vias profissionais, a estar em contacto com gente nova, músicos novos portugueses", quer através da empresa de agenciamento de que é proprietário, A Firma, quer através do ensino, enquanto coordenador do curso de Produção e Criação Musical -- BTEC HND, da ETIC, em Lisboa.

Chinaskee foi aluno de Miguel Ângelo, "já há alguns anos", e os D'Alva são agenciados por A Firma.

Tanto Chinaskee como Alex D'Alva Teixeira e Ben Monteiro (a dupla que compõem os D'Alva) andavam "há cerca de dois anos" a desafiar Miguel Ângelo para fazerem "qualquer coisa juntos".

"E se calhar foi esse o mote quando eu, no início deste ano, comecei a pensar 'o que é que vou fazer para marcar os 35 anos de carreira' e achei que se calhar o melhor era ir ter com eles", partilhou.

Filipe Sambado surge no disco desafiado por Chinaskee. "Ele alinhou e fizemos no estúdio dele. Quis tentar trabalhar no ambiente onde eles trabalham e não no meu estúdio ou noutros estúdios diferentes", referiu.

Surma é uma artista cuja carreira Miguel Ângelo tem "seguido" depois de a ter conhecido "há uns anos" numa gala da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), onde o cantor era júri e ela uma das nomeadas.

"Acho que é uma artista com um grande potencial e foi muito interessante trabalhar com ela", afirmou, contando que, quando recebeu o tema já trabalhado por Surma, teve de "voltar a mergulhar na canção".

"No fundo, adaptar-me à produção que ela tinha feito, e quando é assim o resultado fica mais interessante", disse.

A criação de temas em colaboração com novos nomes da música portuguesa é algo que Miguel Ângelo pretende continuar.

"Foi um trabalho de que gostei muito e se calhar ficaria frustrado se não o levasse mais além", partilhou, adiantando que "o volume dois já está a ser pensado".

"Gostei tanto desta experiência, que acho que é algo que posso já para o ano repegar e convidar outros nomes de que também gosto, da música portuguesa, e que estejam abertos a um processo como este", afirmou.

Entretanto, haverá concertos de apresentação de "Nova(pop)". O primeiro está marcado para segunda-feira, no Arena Live no Casino de Lisboa, e "vai contar com todos os convidados em palco".

Em janeiro, Miguel Ângelo inica uma digressão de teatros e auditórios e tentará "levar sempre um convidado diferente" a palco, porque "não será possível" ter sempre os quatro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório