Meteorologia

  • 13 NOVEMBRO 2019
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Património Cultural reforça restauro dos sinos de Mafra com 150 mil euros

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) reforçou em 150 mil euros o restauro dos sinos e carrilhões do Palácio Nacional de Mafra, para englobar na empreitada vários sinos que não o tinham sido de início, foi hoje anunciado.

Património Cultural reforça restauro dos sinos de Mafra com 150 mil euros
Notícias ao Minuto

12:10 - 09/10/19 por Lusa

Cultura Mafra

A diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, disse à agência Lusa que a DGPC "está a preparar uma segunda empreitada, aproveitando uma oportunidade de financiamento por parte do Turismo de Portugal, para requalificar, além da mera conservação e garantia de condições de segurança" mais oito sinos do Palácio de Mafra.

O investimento, no valor de 150 mil euros, envolve "dois sinos de horas na torre sul e na torre norte, um sino de bamboar na torre sul e três sinos do carrilhão da torre sul", detalhou.

A empreitada de 1,5 milhões de euros de reabilitação dos carrilhões e sinos das duas torres sineiras do monumento deverá ficar concluída até ao final do ano, tendo já sido repostos os sinos que tinham sido apeados das duas torres.

Apesar de as obras de restauro englobarem os dois carrilhões, só o da torre sul vai ficar a funcionar.

Cada uma das torres contém um carrilhão (e respetivos sinos musicais), um relógio (sinos de horas) e parte de um conjunto sineiro de serviço litúrgico (sinos de bamboar), distribuído por ambas as torres.

A intervenção começou no verão de 2018, depois de, no inverno, terem sido adotadas interdições de circulação por sinos e carrilhões ameaçarem cair com o mau tempo.

As obras arrancaram depois de ter sido dado o visto do Tribunal de Contas para a assinatura do contrato de consignação com o empreiteiro, a empresa Augusto de Oliveira Ferreira Lda., de Braga, e de os ministérios das Finanças e da Cultura terem autorizado a repartição, por 2018 e 2019, dos encargos, no valor de 1,5 milhões de euros.

O concurso público tinha sido lançado em novembro de 2015.

O Governo reconheceu a "urgente necessidade de proceder à reabilitação" dos sinos e carrilhões "face ao avançado estado de degradação", assim como os "riscos de segurança não só para o património em si, como para os utentes do imóvel e transeuntes da via pública".

Os sinos, alguns a pesarem 12 toneladas, estavam presos por andaimes desde 2004, para garantir a sua segurança, e as respetivas estruturas de suporte, em madeira, se encontrarem apodrecidas.

Por isso, os carrilhões de Mafra foram classificados como um dos "Sete sítios mais ameaçados na Europa", pelo movimento de salvaguarda do património Europa Nostra.

Os dois carrilhões e os 119 sinos, repartidos por sinos das horas, da liturgia e dos carrilhões, constituem o maior conjunto sineiro do mundo, sendo, a par dos seis órgãos históricos e da biblioteca, o património mais importante do palácio de Mafra.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório