Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2019
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 22º

Edição

Aumento do número de barreiras em todo o mundo analisado em livro

O muro fronteiriço entre os Estados Unidos e o México é um dos exemplos que o jornalista Tim Marshall aborda no livro 'A Era dos Muros', que faz uma síntese sobre estas divisões territoriais que têm aumentado neste século.

Aumento do número de barreiras em todo o mundo analisado em livro
Notícias ao Minuto

11:51 - 22/07/19 por Lusa

Cultura Literatura

Por oposição à "queda" do Muro de Berlim, em 1989, o autor destaca que o mundo vive "uma mentalidade de fortaleza" devido a vários fatores como a migração provocada por guerras, alterações climáticas ou degradação económica, religião, perseguições étnicas ou controlos efetivos dos regimes totalitários.

Para o jornalista, há uma tendência para se "ouvir bastante" acerca do muro de Israel, do muro fronteiriço entre os Estados Unidos e o México e em alguns pontos da Europa como na Hungria mas "aquilo que as pessoas não se apercebem é que estão a ser construídos muros fronteiriços um pouco por toda a parte".

De acordo com o levantamento publicado no livro, pelo menos 65 países, mais de um terço dos Estados-nação do mundo, construíram barreiras ao longo das fronteiras sendo que metade das que foram erguidas desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) surgiram entre o ano 2000 e a atualidade.

No caso da República Popular da China, o autor destaca não apenas o controlo fronteiriço entre as províncias internas, as regiões administrativas especiais e os limites terrestres com os países vizinhos, mas também a grande barreira imposta pelo Estado ao uso da internet.

"Xi Jinping é o primeiro líder chinês a chegar ao poder completamente ciente do potencial da internet. Desde que assumiu o cargo em 2013, supervisionou pessoalmente todas as estratégias cibernéticas da China, internas e externas", refere ao autor destacando também o papel de Lu Wei, que "subiu a pulso" dentro da agência de notícias Xinhua (Nova China).

"Foi Lu Wei que disse que o seu país tinha cibergovernança com características chinesas fazendo ecoar a frase de Deng Xiao Ping: 'socialismo com características chinesas", escreve referindo-se ao atual vice-diretor do Departamento de Publicidade do Partido Comunista Chinês.

Na Europa, Tim Marshall analisa a questão das migrações e as novas divisões que surgiram na Hungria, país liderado pelo nacionalista conservador Viktor Orbán destacando igualmente a questão relacionada a fronteira de Suawalki, no enclave russo de Kaliningrado: uma faixa de terra com 102 quilómetros de largura em território polaco, que liga o enclave à Bielorrússia, Estado aliado de Moscovo.

Os militares russos têm permissão para transitar pela Lituânia, na parte que fica ao lado do corredor, a fim de abastecerem as bases e na eventualidade de hostilidades, Moscovo pode fechar facilmente o fosso, cortando assim completamente a ligação entre os Estados bálticos e o resto dos aliados da NATO.

"A situação é complicada pelo facto de a área de Suawalki pertencer à Lituânia e persistirem tensões entre a Polónia e a Lituânia. No entanto, é a ameaça vista na Rússia que explica o porquê de se estar a tornar uma das áreas fronteiriças mais perigosas e fortificadas da Europa"", considera o autor do livro.

Por outro lado, refere a crise migratória é o principal motivo para a Europa ter atualmente quase a mesma extensão de barreiras físicas ao longo de fronteiras nacionais que tinha durante a Guerra Fria.

O longo capítulo sobre o Reino Unido analisa a questão do "Brexit" e da possibilidade paradoxal de uma nova fronteira terrestre entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, abolida no tratado de paz.

Segundo o autor, aqueles que votaram no referendo de junho de 2016 a favor da saída do Reino Unido da União Europeia são de todos os ramos profissionais, mas muitos, escreve Tim Marshall, provinham das regiões mais pobres de Inglaterra e do País de Gales, "antigas zonas da classe trabalhadora, refletindo a divisão clássica entre os ricos e os pobres.

"O nosso pior pesadelo será um futuro em que nos refugiamos nos nossos vários enclaves", acrescenta Tim Marshall sobre o Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte.

O livro analisa a questão fronteiriça entre o México e os Estados Unidos recordando os aspetos históricos da fronteira realçando que até à independência mexicana em 1821 o Texas era território espanhol onde se calcula viviam na altura apenas cinco mil cidadãos norte-americanos.

No Médio Oriente são estudadas as divisões entre Israel e a Palestina além das fronteiras entre o Iraque e o Irão, a Arábia Saudita e o Irão; os limites fortificados no subcontinente indiano, e expõe os aspetos que levaram à construção da sofisticada cerca que divide o Bangladesh e a Birmânia depois da crise do povo rhoyngia.

O Livro 'A Era dos Muros' de Tim Marshall (Edições Saída de Emergência, 287), inclui mapas e fotografias e foi editado este mês em Portugal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório