Meteorologia

  • 26 AGOSTO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ainda não há uma "troca horizontal" da cultura produzida na Lusofonia

O músico e escritor angolano Kalaf Epalanga disse que embora exista interesse dos leitores, não há uma troca horizontal da produção literária nos diferentes países de língua portuguesa.

Ainda não há uma "troca horizontal" da cultura produzida na Lusofonia
Notícias ao Minuto

13:04 - 20/07/19 por Lusa

Cultura Kalaf Epalanga

Autor do livro 'Também os brancos sabem dançar', publicado no Brasil pela editora Todavia e em Portugal pela editora Caminho, que ficou entre os cinco mais vendidos na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), Epalanga avaliou que sua viagem ao Brasil foi muito positiva, mas não se esquivou de falar sobre as diferenças de circulação literária produzida na comunidade lusófona.

"O espaço [da Lusofonia] existe, ou seja, nós todos nos comunicamos em português porque este espaço existe. Se esta troca é feita de forma horizontal isto já é outra conversa, ou feita de forma circular. [...] Eu acho que [a troca] não é feita de foram circular ou horizontal. Continua havendo hierarquias dentro deste espaço", disse em entrevista à Lusa no âmbito da Flip.

O autor e músico acrescentou: "Acho que a gente precisa de um tempo, para ter um reflexo direto daquilo que se quer, daquilo que conseguimos fazer dentro deste espaço e do que estamos a fazer de facto. Estamos falando de países muitos jovens, inclusive Portugal, a democracia portuguesa é muito jovem".

"A democracia angolana vai chegar na adolescência agora. O mesmo [ocorre] no Brasil onde houve momentos, rasgos democráticos, mas nada concreto como o que está a ser vivido agora. [...] Estou falando isto porque a Lusofonia, da forma como ela é vivida, é um instrumento político", completou.

Epalanga enfatizou que as trocas culturais e a circulação do trabalho de autores e seus livros nos diferentes países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) são balizadas mais em interesses políticos do que por si mesmas, facto que resulta numa certa desigualdade.

"[A Lusofonia] ainda está nas mãos dos políticos, não está nas mãos das pessoas, dos produtores de cultura, de quem faz cultura. Ainda são os institutos, instituições e ministérios que promovem e ditam o ritmo em que a Lusofonia tem que ser entendida", explicou.

"Por isto ela não assenta. É quase um órgão estranho para quem produz cultura. Porque ela não é inclusiva, não olha para os locais mais fragilizados dentro deste espaço como a Guiné-Bissau, São Tomé [e Príncipe], com determinação. A Lusofonia olha para Angola, Brasil e Portugal", acrescentou.

Para o autor, conhecido também por integrar os Buraka Som Sistema, a relação entre os oito países que adotaram o Português como língua oficial deve transformar-se para funcionar como um instrumento de inclusão.

"A Lusofonia devia ser um instrumento de inclusão e não de políticas culturais ao lado do comércio. Não há nada de errada com o comércio, mas acho que precisamos encontrar algo que seja mais perto daquilo que nós somos realmente [neste espaço]", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório