Meteorologia

  • 25 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Museus vão vender lápis com versos de 12 poetas portugueses

A ministra da Cultura revelou hoje que a oferta comercial das lojas de diversos museus do país vai passar a incluir conjuntos de 12 lápis que, tendo fabrico nacional, exibirão versos marcantes de poetas portugueses.

Museus vão vender lápis com versos de 12 poetas portugueses
Notícias ao Minuto

18:45 - 21/03/19 por Lusa

Cultura Graça Fonseca

A medida foi anunciada numa visita da governante à empresa Viarco, que, instalada em São João da Madeira e sendo a única fábrica de lápis em laboração na Península Ibérica, confirmou a encomenda de cerca de 8.000 desses objetos de escrita - todos eles decorados com estrofes concebidas no período que cobre desde a obra do rei D. Dinis (1261-1325) até à de Mário de Sá-Carneiro (1890-1916).

Graça Fonseca explicou que a seleção recaiu sobre poetas "mais clássicos" e revelou: "A partir de hoje estes lápis passarão a estar à venda nas lojas dos museus e também ficarão disponíveis a nível de circuito comercial".

A expectativa da ministra é "que a poesia não fique apenas nos livros e chegue também àquilo que cada um faz todos os dias", no seu quotidiano normal, o que justifica que, enquanto objeto frequente de escrita, tenha sido o lápis o suporte escolhido para difusão de versos ainda pouco conhecidos da literatura portuguesa.

Para ajudar nessa difusão, a encomenda à Viarco de mais de 650 'kits' de 12 lápis envolveu o que Graça Fonseca reconheceu como "um desafio de última hora" que a fábrica de São João da Madeira só conseguiu cumprir devido à sua particular "sensibilidade industrial".

Para além dos já referidos D. Dinis e Mário de Sá-Carneiro, os outros dez autores representados nos novos lápis poéticos são assim: Francisco Sá de Miranda (c. 1481-1558), André Falcão de Resende (c. 1527- c. 1599), Soror Violante do Céu (1601-1693), D. Francisco Manuel de Melo (1608-1666), Filinto Elísio (1734-1819), Marquesa de Alorna (1750-1839), João de Deus (1830-1896), Antero de Quental (1852-1891), Gomes Leal (1848-1921) e Cesário Verde (1855-1886).

No caso do lápis evocativo de Gomes Leal, por exemplo, a estrofe escolhida integra os seguintes versos: "Os deuses ou são mortos ou caídos, / quais duros aldeões dormindo as sestas, / ou andam, os astros perseguidos, /chorando os velhos tempos das florestas".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório