Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2019
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Bienal BoCA começa hoje e vai apresentar 22 estreias mundiais

A segunda edição da BoCA - Bienal de Artes Contemporâneas, este ano a decorrer em Lisboa, Porto e Braga, começa hoje, com obras de artistas como Marina Abramovic, William Forstyhe e Meg Stuart, estendendo-se até 30 de abril.

Bienal BoCA começa hoje e vai apresentar 22 estreias mundiais
Notícias ao Minuto

06:30 - 15/03/19 por Lusa

Cultura Arte

Com uma programação que cruza áreas artísticas nas três cidades, irá apresentar, nesta edição da bienal, 22 estreias mundiais, e contar com a participação de 52 artistas portugueses e estrangeiros.

O evento - que coloca em diálogo as artes visuais, a performance, as artes cénicas e a música - tem como objetivo "continuar a criar uma nova cartografia artística em espaços menos convencionais" no país, como salientou, em fevereiro, à agência Lusa, o diretor artístico, John Romão.

Entre os artistas cujas obras serão já visíveis a partir de hoje, dia do arranque da bienal, contam-se Marina Abramovic, que apresentará a instalação 'Spirit House' - criada para o antigo matadouro municipal nas Caldas da Rainha, em 1997 - e que agora volta, para ser exibida em Lisboa, nas Carpintarias de São Lázaro.

'Spirit House' é constituída por cinco vídeos que dialogam entre si, nos quais surge Marina Abramovic em diferentes performances criadas para a câmara: 'Dissolution', 'Insomnia', 'Luminosity', 'Dozing Consciousness' e 'Lost Souls'.

A BoCA apresenta ainda, pela primeira vez em Portugal, também a partir de hoje, a vídeo-instalação 'Alignigung 2', do coreógrafo William Forstyhe, em três museus de três cidades: o Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), o Museu Nacional Soares dos Reis (Porto) e o Museu D. Diogo de Sousa (Braga).

'Alignigung 2' é um híbrido entre coreografia, filme e escultura, e conta com a colaboração musical de Ryoji Ikeda.

Outra criadora da área da dança - Meg Stuart -- que também se aventurou nas artes visuais e criou a vídeo-instalação 'The only possible city' para a Bienal de Arte Contemporânea Manifesta, será agora 'recontextualizada' na Capela das Albertas, dentro do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

Além das 22 estreias mundiais, estão também previstas 15 estreias nacionais durante esta segunda edição da bienal, iniciada em 2017, que apresenta, este ano, Braga, como palco de descentralização da visibilidade dos artistas e dos seus projetos.

Teatros, museus, galerias, discotecas, igrejas e outros espaços culturais e monumentos das três cidades vão receber criações inéditas a nível mundial, ou pela primeira vez apresentadas em Portugal, entre as quais trabalhos da coreógrafa Marlene Monteiro Freitas, Leão de Prata de carreira da Bienal de Veneza, do escritor Gonçalo M. Tavares com Os Espacialistas, projeto de investigação de Arte e Arquitetura, da investigadora Yolanda Norton, voz do 'feminismo negro', do fotógrafo Wolfgang Tillmans, vencedor do Prémio Turner, da dramaturga Angelica Lidell, do músico Gabriel Ferrandini e do artista português Pedro Barateiro.

Quanto ao programa educativo da bienal, terá como projeto especial uma homenagem à artista plástica Helena Almeida (1934-2018), intitulada 'Sente-me, Ouve-me, Vê-me', três obras emblemáticas na carreira da artista.

Este projeto, nomeado a partir da série homónima de Helena Almeida, mobilizou, desde janeiro, 15 estudantes da Escola Superior de Música de Lisboa, da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto e do Departamento de Música da Universidade do Minho, em Braga, a trabalhar com três curadores, Ana Cristina Cachola, Delfim Sardo e Filipa Oliveira.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório