Meteorologia

  • 17 JUNHO 2019
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Wyllys revê-se a si e ao Brasil em livro de Milton Hatoum sobre ditadura

O ativista brasileiro Jean Wyllys considerou "dolorosa" a leitura do livro 'A noite da espera', de Milton Hatoum, ambientado na ditadura brasileira, pelas semelhanças com a atual situação política do Brasil, apesar de ter sido escrito em 2007.

Wyllys revê-se a si e ao Brasil em livro de Milton Hatoum sobre ditadura
Notícias ao Minuto

11:04 - 27/02/19 por Lusa

Cultura Literatura

O ex-deputado federal do PSOL, que desistiu do mandato e saiu do Brasil devido às ameaças de morte que recebeu, falava na terça-feira à noite, na Fundação José Saramago, em Lisboa, durante a apresentação do mais recente romance do escritor brasileiro editado em Portugal pela Companhia das Letras.

Jean Wyllys classificou como uma "coincidência absurda" a identificação que sentiu com o protagonista da história, separado à força da mãe, que vive a repressão da ditadura em Brasília e acaba por se exilar em França, e as semelhanças que encontrou entre a realidade retratada - entre 1968 e 1978 - e a atual.

"Impressionante como Milton começa a escrever muito antes deste abismo e como retratou este abismo. Ou, então, nunca saímos dessa sociedade homofóbica, racista, xenófoba e machista", afirmou.

Repetindo uma frase proferida no romance por um embaixador - "A cabeça do padeiro é a cabeça do Brasil" -, Jean Wyllys considerou que esta "revela o triunfo da mediocridade", que "hoje é hegemónica no Governo recém-eleito".

"O livro tem essa atualidade. Espero que as novas gerações possam ler esse livro para entender o que é hoje o Brasil", afirmou, acrescentando ter esperança de que "esta noite que começou agora com a eleição de Bolsonaro, ou ainda antes, com o 'impeachment' de Dilma, passe".

Num tom mais emocionado, Jean Wyllys comparou-se com o protagonista, e narrador, Martim, que se viu afastado à força da mãe, devido à separação dos pais e à sua mudança para Brasília com o pai, uma figura rígida e machista.

O político brasileiro lembrou que está fisicamente separado da mãe por causa das ameaças de morte que sofreu e que o obrigaram ao auto-exílio, mas afirmou que antes disso já se sentia "ausente" por causa da sua homossexualidade.

"Quando uma mãe percebe cedo os sinais que o filho dá, ainda antes de ele sair do armário, acontece uma rutura e essa rutura vai marcar sempre. Há um decréscimo de amor quando se frustram as expectativas", afirmou.

Por isso, confessou que a "rutura de Martim" o "marcou muito", porque, tal como para a personagem, a sua mãe era "a referência" e o pai "a figura bruta" por quem nunca sentiu muito amor.

Sobre a coincidência de se viver atualmente no Brasil uma situação política semelhante à retratada no livro, Milton Hatoum explica que foi precisamente a ideia oposta que esteve na origem deste romance, escrito há mais de dez anos.

"Quando comecei a escrever o livro, pensei 'vou deixar aqui toda a minha amargura [o autor viveu a repressão da ditadura], porque não vamos repetir. E eis que acontece isto", contou.

Para Milton Hatoum, o atual Governo brasileiro "esconde-se por trás de uma máscara de democracia caricata".

Apesar de tudo, reconheceu que o país ainda não está ao nível dos tempos da ditadura, e exemplificou com a liberdade de imprensa, recordando, por exemplo, que uma reportagem da Folha de São Paulo "derrubou um ministro".

"Na ditadura não havia essa liberdade e havia delatores em todo o lado. Não é o que estamos vivendo", afirmou, considerando, contudo, que este é um "Governo protofascista" e que "muita coisa veio da ditadura".

"Votaria em qualquer um, menos neste fascista. Rompi com pessoas da minha família por causa disto, pessoas que se esqueceram que tiveram pais e tios que foram presos, que foram algemados e humilhados de Manaus para Brasília", acrescentou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório