Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2018
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

'Mosca' do Projecto Ruínas estreia em Montemor-o-Novo

'Mosca' é o título da nova criação do Projecto Ruínas, de Montemor-o-Novo (Évora), que estreia na quinta-feira, baseada num "grupo de sobreviventes de um acontecimento apocalíptico" e no "elemento absurdo" do inseto que dá nome ao espetáculo.

'Mosca' do Projecto Ruínas estreia em Montemor-o-Novo
Notícias ao Minuto

12:00 - 06/11/18 por Lusa

Cultura Évora

A estreia do espetáculo, revelou hoje a companhia, está marcada para as 21:30 de quinta-feira, no Cineteatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo, onde fica em cena também na sexta-feira e no sábado, à mesma hora.

A criação "ruma", depois, para Lisboa, onde vai estar em palco, entre os dias 14 e 17 deste mês, no Teatro Ibérico, igualmente às 21h30, acrescentou.

Segundo o Projecto Ruínas, 'Mosca' é um espetáculo que se propõe a "ter múltiplas camadas de leitura", tendo o trabalho partido da ideia "da ordem e do caos" e de como "um acontecimento singular pode provocar uma desorganização do estado das coisas em vários níveis" e "ao mesmo tempo".

Mas, segundo a companhia teatral, "a componente narrativa da sinopse esgota-se rapidamente com o aparecimento do elemento absurdo da mosca".

"A partir desse cruzamento de realidades ou universos percetivos, a ideia é explorar o absurdo narrativo e o absurdo cénico. Assim, o acontecimento narrativo muda também a perceção que o público terá do próprio espetáculo", justificou.

Num bunker industrial, pode ler-se na sinopse da criação teatral disponibilizada à agência Lusa, "os sobreviventes resistem a uma ameaça externa indizível", só que "a segurança do espaço é quebrada com o aparecimento de uma mosca".

"A penetração torna-se motivo para o pânico, as ações retaliatórias, o caos e a reorganização da matilha. Por absurdo, chega-se à conclusão de que única opção é a morte", revelou o Projecto Ruínas.

Com a introdução da "mosca" na narrativa, em cena já não existe mais "um grupo de sobreviventes de um qualquer acontecimento apocalíptico, mas personagens que se dissolvem perante a tirania do absurdo".

"Para tal, prevê-se uma procura de recursos cénicos e artísticos que descole do realismo rumo ao absurdo, assente no movimento, na sonoridade, no silêncio", indicou, referindo que, nessa altura, o espetáculo vai ganhar uma "outra camada", assente "na pesquisa sonora, no movimento, na dissolução das personagens".

A criação 'Mosca' tem conceção e encenação de Francisco Campos, que também integra o leque de intérpretes, do qual constam ainda Sofia Vitória, Susana Blazer e Zé Bernardino.

Este espetáculo do Projecto Ruínas foi financiado pela Direção-Geral das Artes e pela Câmara de Montemor-o-Novo, com apoios das associações O Espaço do Tempo, Oficinas do Convento e Alma d'Arame, CAPA -- Devir, Teatro Ibérico, Companhia João Garcia Miguel e Câmara de Lisboa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório