Meteorologia

  • 15 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 14º

Edição

"O mais avançado da humanidade foi conquistado por quem trabalha"

A historiadora Raquel Varela, autora do livro 'Breve História da Europa', considera que o século XX demonstrou que a força dos trabalhadores permite conquistas singulares, apesar dos direitos estarem a ser dissolvidos pelas políticas neoliberais.

"O mais avançado da humanidade foi conquistado por quem trabalha"
Notícias ao Minuto

12:01 - 30/06/18 por Lusa

Cultura Raquel Varela

"A grande conclusão deste livro é a de que aquilo que de mais avançado foi feito na história da humanidade: a assunção de que toda a gente, independentemente do nascimento, tem o direito a saúde, educação, segurança social, transportes públicos, lazer, limites ao horário trabalho, vida pública, vida privada, direito ao lazer foi conquistado na Europa e foi conquistado por quem trabalha", destaca Raquel Varela, sublinhando que os direitos dos cidadãos foram conquistados ao longo das décadas, contra o poder dominante.

"Nada foi oferecido nem pelos governos nem pelos Estados. Os direitos foram conquistados ao longo de sucessivas revoluções e movimentos sociais e populares de resistência, na Europa, no século XX.", afirmou a investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa.

O mais recente livro da historiadora Raquel Varela 'Breve História da Europa -- Da Grande Guerra aos Nossos Dias' percorre o século XX "que começa com uma inusitada" ascensão dos trabalhadores organizados na Revolução Russa (1917).

"Isso não tinha acontecido antes com esta dimensão. Acarretado a isso vem a mobilidade social e termina com a proletarização das classes médias. Isso é uma marca do século XX", salientou a historiadora.

Para Raquel Varela, "o fim do pacto social situa-se na crise financeira de 2008, altura em que, afirma, se começam a atacar os direitos fundamentais e laborais.

A historiadora considera que o Estado Social não é uma dádiva mas uma conquista e frisa que morreram 80 milhões de pessoas na II Guerra Mundial (1939-1945).

"O Estado Social foi a troca que o capitalismo deu: 'vocês vão ter segurança e paz segurança social se nos entregarem as armas'. Este é o pacto construído após o fim do conflito na Europa e isso chega ao fim em 2008 e já tinha entrado em crise a partir da década de 1970".

Raquel Varela, ao longo do livro quer deixar marcado de que "não podemos esquecer" o maior genocídio da História aconteceu na Europa, feito por europeus contra europeus e que no século XX os limites foram sempre "mais longe".

As conquistas, mas também as barbaridades foram singulares e nunca se verificou tanta diversidade ideológica como no século passado indica a historiadora no livro sobre a história social e que tem o trabalho como questão fundamental.

Sobre Portugal o livro aborda a questão do colonialismo que usou de "forma sistemática e por mais tempo várias formas de trabalho forçado" e a Revolução de 1974.

"A Revolução dos Cravos foi uma revolução urbana, europeia, numa sociedade onde o peso da indústria e dos serviços já era maior do que na maioria das revoluções do século XX. Ao contrário da maioria dessas revoluções dessas revoluções, de base camponesa e apoiadas em partidos-exército, a Revolução portuguesa pode ter sido não só a última revolução do século XX a colocar em causa a propriedade privada dos principais meios de produção, mas a primeira do século XXI" (página 208), escreve Raquel Varela no livro.

'Breve História da Europa -- Da Grande Guerra aos Nossos Dias', de Raquel Varela (Bertrand Editora, 327 páginas) vai ser apresentado hoje em Lisboa.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório