Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2018
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Helena Sarmento apresenta novo disco no Museu do Fado

Lisboa, 14 mai (Lusa) -- A fadista Helena Sarmento apresenta o seu mais recente álbum, 'Lonjura', que qualificou como "muito coeso", na próxima terça-feira ao final da tarde, no Museu do Fado em Lisboa.

Helena Sarmento apresenta novo disco no Museu do Fado
Notícias ao Minuto

12:00 - 14/05/18 por Lusa

Cultura Música

Em declarações à agência Lusa, a criadora de 'Fado Aritmético' afirmou que a construção deste novo álbum, o terceiro da sua carreira, foi "muito intuitiva", tendo resultado "muito coeso", com "palavras e melodias muito novas".

Em 'Lonjura', álbum que dedica ao escritor Joaquim Sarmento, seu pai, a fadista volta a interpretar poemas de João Gigante, composições de Samuel Cabral, recria temas dos repertórios de Amália Rodrigues e José Afonso, revisita o cancioneiro tradicional português, bem como 'O Bêbedo e a Equilibrista', de Elis Regina.

No auditório do Museu do Fado, no bairro lisboeta de Alfama, Helena Sarmento é acompanhada pelos músicos Samuel Cabral, na guitarra portuguesa, André Teixeira, na viola, e Sérgio Marques 'Ginho', na viola baixo, os mesmos com que gravou o CD.

O disco é constituído por 11 temas, abrindo com 'Fado em Branco', de João Gigante-Ferreira e música de Gigante-Ferreira e Samuel Cabral, inclui um poema de Joaquim Sarmento, que dá título ao álbum, interpretado na melodia tradicional do Fado Menor do Porto, muito do agrado do poeta, que costumava cantar esta composição de João Black, e fecha com 'O Bêbedo e a Equilibrista', de Aldir Blanc e João Bosco.

Helena Sarmento, que continua a dividir-se entre o fado e advocacia, afirmou à Lusa que este CD expressa "mais confiança" na interpretação e, pela primeira vez, grava com viola baixo. Nos anteriores discos, 'Fado Azul' (2011) e 'Fado dos dias assim' (2013), gravou com contrabaixo e violoncelo, respetivamente.

"A minha vida no fado é de facto um 'fado em branco'", disse a intérprete que apontou 'Lonjura' como o seu melhor álbum até à data, afirmando que cada vez se sente "melhor como fadista", carreira pela qual optaria, apesar de gostar da advocacia.

Referindo-se à sua carreira como fadista, Helena Sarmento afirmou que a tem sedimentado, "feito camada a camada".

"O que tenho construído está de facto construído, por onde vou passando vou criando público e há pessoas que gostam de me ouvir cantar e passam a acompanhar a minha carreira", disse a criadora de 'Fado Aritmético', que acrescentou que tem "a convicção" de quem tem público, "mesmo que não possa encher o pavilhão Altice Arena, mas certamente [consegue] num teatro como o S. Luiz [em Lisboa]".

Helena Sarmento salientou a importância da divulgação dos artistas de fado e dos seus trabalhos, como forma que criar condições "para as pessoas se predisporem a ouvir, que é o mais difícil em Portugal: as pessoas predisporem-se a ouvir".

A fadista questionou o "facto de o fado estar na moda ser assim tão favorável", dada a dispersão de projetos, alguns até muito descontextualizados do fado, mas que usam o "fado" como marca registada.

O escritor Fernando Dacosta, num texto que acompanha a edição discográfica, realça o facto de Helena Sarmento, "discreta", ter encetado "a sua afirmação fora das correntes dominantes, norteada por uma exigência [e] uma lucidez inamovíveis".

'"'Lonjura' fica-nos, pela carga da sua atmosfera, planície de irrecusável modernidade", remata Dacosta.

Referindo-se ao seu projeto fadista, Helena Sarmento afirmou a intenção de "desassossegar pelas palavras", tarefa na qual é seu cúmplice o poeta João Gigante-Ferreira.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório