Meteorologia

  • 20 MAIO 2022
Tempo
31º
MIN 17º MÁX 34º
Imobiliário Escritórios Escritórios recuperam em 2021. Ocupa...

Escritórios recuperam em 2021. Ocupação sobe 15% em Lisboa e 5% no Porto

No 2.º semestre de 2021, foram transacionados 159 mil m2 na Grande Lisboa, um crescimento homólogo de 15%. Por sua vez, no Grande Porto, foram transacionados 56.600 m2, ou seja, 5% acima do registado no período homólogo.

Escritórios recuperam em 2021. Ocupação sobe 15% em Lisboa e 5% no Porto

Após as quedas na ordem dos 35% na Grande Lisboa e de 55% no Grande Porto da ocupação de escritórios, na primeira metade de 2021, "a resolução gradual da situação pandémica fez sentir os seus efeitos já na segunda metade do ano", refletindo uma recuperação da absorção de respetivamente 15% e 5%, de acordo com os dados da consultora imobiliária Cushman & Wakefield, enviados em comunicado ao Notícias ao Minuto.

“Apesar de um primeiro semestre pouco dinâmico o setor recuperou bem na segunda metade do ano e 2022 dá sinais de continuidade de crescimento", começa por revelar Carlos Oliveira, partner e diretor do departamento de escritórios da Cushman & Wakefield.

Esta subida poderá dever-se ao facto de "as empresas e os seus colaboradores terem se ajustado a modelos mais flexíveis ou híbridos na forma de utilizar os espaços. Mas os escritórios continuam a ter uma importância fundamental na cultura, comunicação e eficiência das corporações”, acrescenta o responsável.

Lisboa

No mercado de escritórios da Grande Lisboa, foram transacionados 159 mil m2 no 2.º semestre de 2021, um crescimento homólogo de 15%. Verificou-se também um aumento do número de operações, para cerca de 135, contrabalançado pela redução da área média transacionada, para os 1.180 m2.

"Esta evolução da absorção foi fortemente influenciada pela concretização de alguns negócios de grande dimensão", pode ler-se no mesmo documento. Em destaque estão a futura ocupação pela Câmara de Oeiras dos Paços do Concelho; os pré-arrendamentos pela incubadora Factory no Hub Creativo do Beato e a Critical Techworks na K Tower no Parque das Nações (zona 5).

A taxa de desocupação aumentou 100 pontos base (p.b.) face a 2020, situando-se atualmente nos 5,7% e foram concluídos 43.100 m2, dos quais somente 10% se encontram disponíveis no mercado.  Relativamente à oferta futura, 188 mil m2 de escritórios estão já em construção, embora metade já tenha ocupação assegurada

Porto

Por sua vez, no Grande Porto, foram transacionados 56.600 m2, no mesmo período em análise. Este valor traduz um crescimento homólogo de 5%. À semelhança da capital, esta variação foi caracterizada por um maior número de negócios, acima de 60, e uma quebra da área média transacionada, para os 900 m².

Nesta região, a taxa de desocupação aumentou igualmente perto de 100 p.b. para os 8,9%, e foram concluídos 19.300 m2, dos quais 60% se encontram por ocupar. No que diz respeito à oferta futura, 73.300 m2 encontram-se em construção, com 35% dessa área com ocupação já garantida. 

Leia Também: Trabalhadores nos escritórios da Meta terão de tomar reforço da vacina

Campo obrigatório