Meteorologia

  • 20 MAIO 2022
Tempo
31º
MIN 17º MÁX 34º
Imobiliário Habitação Governo britânico 'chumba' construçã...

Governo britânico 'chumba' construção de torre residencial em Londres

Preocupações sobre o carbono incorporado ao projeto e o possível impacto negativo sobre o património arquitetónico da cidade foram os principais motivos para o Executivo do Reino Unido pôr fim ao projeto. Divulgada em 2018, a torre de 305 metros teria se tornado no edifício mais alto do distrito financeiro de Londres.

'Torre Tulip' em Londres -

Divulgada em 2018, a torre de 305 metros teria se tornado no edifício mais alto do distrito financeiro da cidade.

O governo do Reino Unido anunciou que não emitirá aprovação para a construção de uma torre residencial em Londres. A carta de decisão, publicada este mês, em nome do secretário de habitação do Reino Unido, divulga preocupações sobre o carbono incorporado ao projeto e o possível impacto negativo sobre o património arquitetónico circundante, informa o Archdaily. Divulgada em 2018, a torre de 305 metros teria se tornado o edifício mais alto do distrito financeiro de Londres.

Chama-se 'Torre Tulip' e foi projetada pela empresa Foster + Partners. Trata-se de uma cápsula com 12 andares, semelhante a um ovo de vidro, envolvida por “três colheres” verticais, com um elevador, bares, restaurantes e uma vista panorâmica sobre a cidade, descreve o The Guardian.

Inicialmente aprovado pelas autoridades municipais, o projeto foi rejeitado em 2019 pelo membro do Parlamento do Reino Unido pelo distrito de Tooting, Sadiq Khan, sob o argumento de que, com sua deficiência em número de escritórios e espaços residenciais, traria poucos benefícios à cidade e poderia impactar negativamente o 'horizonte' de Londres. A decisão do governo vem após um recurso da incorporadora e marca o fim oficial do projeto.

Este relatório oficial menciona ainda que a "finalidade, forma, materiais e localização escolhidos resultaram num empreendimento que causaria danos consideráveis à Torre de Londres e danos adicionais a outros ativos patrimoniais", superando assim o valor que poderia fornecer como atração turística e equipamento educacional, faz sobressair a plataforma. Paralelamente, o documento destaca o alto nível de energia incorporada da estrutura, mencionando "um ciclo de vida insustentável".

Leia Também: O primeiro arranha-céus em Brooklyn entrou em fase final de construção

Campo obrigatório