Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Edição

Imobiliário Habitação Como funcionam as 'maiorias' em asse...

Como funcionam as 'maiorias' em assembleia de condomínio?

No que diz respeito às assembleias, nem todos os condóminos têm o mesmo poder de voto. Isto porque os condóminos que possuem habitações maiores têm mais votos do que aqueles cujas casas são menores. Contudo, há exceções. Fique a par.

Como funcionam as 'maiorias' em assembleia de condomínio?

Embora o conceito de democracia reger em condomínio, no que diz respeito às assembleias, nem todos os condóminos têm o mesmo poder de voto. Regra geral, cada condómino tem tantos votos como aqueles que a sua fração representa do valor total do prédio. Ou seja, os condóminos que possuem habitações maiores têm mais votos do que aqueles cujas casas são menores, explica o serviço Condomínio DECO+, da DECO Proteste. 

Contudo, há exceções, nomeadamente, ao nível do título constitutivo ou até do regulamento do condomínio, que podem prever que todas as frações têm o mesmo peso na votação. Mas como funcionam as 'maiorias' em assembleia de condomínio? 

Segundo a defesa do consumidor, existem situações em que a lei prevê quatro tipos de 'maioria' em assembleia.

Dois terços do valor total do prédio
 
O primeiro tipo de maioria que a DECO destaca trata-se daquela em que basta apenas haver dois terços da permilagem ou percentagem (consoante o modo como o valor do edifício tenha sido fixado) a favor da decisão para que seja aprovada.

É utilizada quando se pretende fazer obras de inovação, por exemplo, substituir os intercomunicadores áudio por vídeo, ou fazer obras que modificam a linha arquitetónica ou estética do prédio, como por exemplo fechar uma varanda e torná-la marquise.

Também é usada quando é necessário alterar a forma de comparticipação no pagamento dos serviços de interesse comum, por exemplo o pagamento da água, da eletricidade ou dos elevadores, entre outros. Nesta situação, para além da maioria de dois terços, não pode haver oposição. 

Dupla maioria
 
Aquela que pede a maioria dos condóminos, desde que estes representem a maioria do valor total do prédio, explica a defesa do consumidor.

É empregue em situação de colocação de elevadores em prédios com mais de oito frações e instalação de gás canalizado em prédios com mais de oito frações. No entanto, note que, nestas duas situações, caso o edifício tenha menos de oito frações, a maioria aplicada já é a de dois terços.

Sem oposição
 
Este tipo de maioria refere-se ao facto quando não podem existir votos contra, apenas abstenções.

É usada quando se pretende proibir atividades que não constem no título constitutivo da propriedade horizontal e dividir frações autónomas em novas frações, quando o título constitutivo não o permita. Por exemplo, caso alguém pretender dividir um apartamento em dois mais pequenos.

Unanimidade
 
Trata-se de uma 'maioria' em que todos os condóminos têm de estar de acordo e não podem existir abstenções.

De acordo com a DECO, é utilizada sempre que se pretende alterar o título constitutivo da propriedade horizontal, aprovar o regulamento do condomínio na sua totalidade, arrendar ou vender uma parte comum ou vender equipamento que pertença ao condomínio, e fazer obras de reconstrução do edifício, em caso de destruição superior a três quartos do seu valor.

Leia Também: Vai nascer um novo condomínio privado com vista para o rio Douro

Campo obrigatório