Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2021
Tempo
19º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Lar Eficiência energética Universidade do Minho quer tornar as...

Universidade do Minho quer tornar as habitações sociais mais sustentáveis

A Universidade do Minho promete melhorar eficiência energética das habitações sociais. O projeto chama-se ARCAS e conta até 2023 com 1.3 milhões de euros do Programa Interreg Sudoe/FEDER.

Universidade do Minho quer tornar as habitações sociais mais sustentáveis

A Escola de Engenharia da Universidade do Minho (EEUM) e cinco parceiros europeus estão a criar um modelo para tornar as habitações sociais sustentáveis e energeticamente eficientes. De acordo com a plataforma Vieiradominho.tv, que adianta com a informação, o projeto chama-se ARCAS e conta até 2023 com 1.3 milhões de euros do Programa Interreg Sudoe/FEDER. Este projeto insere-se nas políticas da UE no combate à pobreza energética, que alcança várias regiões.

Para Manuela Almeida, professora do Departamento de Engenharia Civil da EEUM e investigadora do Instituto de Sustentabilidade e Inovação em Estruturas de Engenharia (ISISE), a intenção é "ajudar os governos nacionais, regionais e locais na reabilitação energética de bairros sociais e de edifícios de habitação coletiva.

Com esta ferramenta será possível "maximizar a arquitetura energética, promovendo assim a eficiência, a qualidade do ar e o bem-estar social”, sustenta a investigadora.

Segundo a plataforma, este mecanismo procura aproveitar edifícios para encontrar novas alternativas e soluções para alguns problemas causados ​​pelas alterações climáticas e pela pobreza energética, no qual o consórcio já cumpriu metade do período de execução do projeto e avança, agora, com o desenvolvimento desta ferramenta digital para apoiar a reabilitação de edifícios de habitação de interesse social, centrada na poupança de energia e na qualidade do ar.

Além da UMinho, este projeto é coordenado pela Fundación de Estudios sobre la Edificación de Asturias, pelo Governo de Cantábria, pela Universidade do País Basco, bem como pela Universidade La Rochelle e pela Plataforma Tecnológica e Inovadora para a Eficiência Ambiental, ambas em França, faz ainda notar a plataforma.

Leia Também: Investimento de 123 milhões para a eficiência energética em edifícios

Campo obrigatório